Jojo Rabbit (2019)

Por André Dick

O diretor Taika Waititi se tornou mais conhecido com O que fazemos nas sombras, um filme divertido sobre um grupo de vampiros que se unia numa cidadezinha para suportar junto a eternidade, uma produção modesta e eficiente. Antes, porém, ele já tinha feito Loucos por nada, que anunciava em parte  inspiração no  universo criado pro Wes Anderson, repetida em A incrível aventura de Rick Baker. Já em Thor: Ragnarok, ele explorava um visual oitentista baseado em Flash Gordon. Agora, com Jojo Rabbit, ele amplia seu universo para o âmbito histórico, da Segunda Guerra Mundial, baseado no livro Caging skies, de Christine Leunens Trata-se de um diretor que sempre teve como intuito mesclar um universo próprio e outro imaginado, seja adaptado de quadrinhos, seja baseado num contexto mais próximo da realidade, em conflitos familiares e descobertas de uma vida.

Seu novo filme acompanha a vida de Johannes “Jojo” Betzler (Roman Griffin Davis), um menino de dez anos que é um mininazista, dedicado aos ideais de Adolf Hitler (Taika Waititi), que imagina frequentemente como um amigo imaginário. Jojo mora com a mãe, Rosie (Scarlett Johansson), e seu pai está servindo na guerra, enquanto sua irmã mais velha recém faleceu. O ditador o acompanha no campo de treinamento da Juventude Hitlerista, comandado pelo capitão Klenzendorf (Sam Rockwell), num momento do filme que se parece muito com Moonrise Kingdom. No lugar, há os mais variados absurdos, sempre em diálogo com  que realmente aconteceu – a queima de livros –, sob um certo viés de sátira.
Depois de uma situação com um coelho, ele é apelido de Jojo Rabbit e acaba sofrendo um acidente que o “rebaixa” de posto, tendo de espalhar folhetos de propaganda nazista pela cidadezinha onde mora. Nesse meio tempo, ele descobre escondida em sua casa a Elsa Korr (Thomasin McKenzie), uma adolescente judia, ex-colega da irmã que faleceu.

Ele fica com receio de contar à mãe, do que aconteceria com ela, e Waititi visualiza essa situação de maneira agridoce. Mais maduro do que em Rick Baker, embora acompanhe novamente a trajetória de um menino antes da entrada na adolescência, Waititi continua utilizando um visual que lembra Anderson – as imagens referentes ao nazismo remetem a O grande Hotel Budapeste –, no entanto empregando em momentos decisivos um caminho mais dramático. Algumas situações rotineiras, como um passeio de Jojo com a mãe, ganham um lirismo quase escondido por trás de uma sátira que parece óbvia. E o próprio Waititi no papel de Hitler, embora tente fazer lembrar Chaplin, inigualável, consegue ser o ponto para que o espectador pense sobre todo esse cenário já visto no cinema de maneira mais trágica, contudo não no sentido de atenuar, mas de revelar as ideias ridículas por trás de um sistema que se pretendia sério e secular. A maneira como Waititi aborda a visão infantil sobre os judeus é como se fossem parte de outro universo, e os adultos alemães tentam confirmar essa impressão. Por isso, a primeira aparição de Elsa lembra o encontro de Elliott com o E.T. no filme de Spielberg. É visível como Waititi visualiza tudo como se fosse parte de um livro infantojuvenil, que, em meio a todo drama histórico, precisa ser revisto sob o ponto de vista justamente da infância, para que se tente descobrir alguma explicação sobre a barbárie.

Para desmontar uma ideia, o humor é utilizado de maneira decisiva em muitos filmes, principalmente no que se refere a conceitos pretensamente utilizáveis por todos. Nesse sentido, o filme de Waititi, tentando empregar um realismo às vezes próximo do ato final de O regaste do Soldado Ryan, porém com elementos de humor, consegue transitar bem entre extremos a partir de determinado ponto de vista irreconciliáveis. Com fotografia de Mihai Mălaimare Jr., o mesmo de O mestre, capaz de criar uma textura de época para as imagens, com uma atmosfera verdadeiramente europeia, e não apenas genérica, e uma trilha sonora muito boa de Michael Giacchino, que recebe os acréscimos de canções pop (“I Want To Hold Your Hand”,  dos Beatles), Jojo Rabbit se mostra até determinado momento um pouco forçado.
Contudo, as atuações de Griffin Davis e Johansson passam a se sobressair, e McKenzie (revelada no melancólico Sem rastros) é excelente, além de Rockwell acertar o tom de seu papel e Archie Yates quase roubar toda a cena em que aparece, como o amigo de Jojo. A obra de Waiteti se baseia na parte técnico e no elenco para acentuar uma narrativa que, até determinado ponto, poderia ser fraca e ligeiramente esquecível. Há elementos, claro, de A vida é bela, de se imaginar uma realidade paralela àquela que se impõe. Nisso, Waititi consegue ser mais interessante do que Benigni, fazendo uma sátira que a todo momento se lembra de ser séria – e, mesmo que entregue uma mensagem evidente, o faz de maneira calibrada e emocional, capaz de suscitar sentimentos imprevistos. As cartas, os poemas e as bibliotecas fazem parte de uma possível mudança de perspectiva e as janelas que lembram olhos chorando representam a autodescoberta da vida do personagem central. Isso consegue levar a uma comoção baseada na ideia de que são as crianças que vão escrever novas páginas direcionadas ao futuro, com um novo otimismo e necessidade de revitalizar a história. É uma ideia que parece óbvia, mas que Jojo Rabbit entrega com rara ênfase e cuidado.

Jojo Rabbit, EUA, 2019 Diretor: Taika Waititi Elenco: Roman Griffin Davis, Thomasin McKenzie, Taika Waititi, Rebel Wilson, Stephen Merchant, Alfie Allen, Sam Rockwell, Scarlett Johansson Roteiro: Taika Waititi Fotografia: Mihai Mălaimare Jr. Trilha Sonora: Michael Giacchino Produção: Carthew Neal, Taika Waititi, Chelsea Winstanley Duração: 108 min. Estúdio: Fox Searchlight Pictures, TSG Entertainment, Defender Films, Piki Films Distribuidora: Fox Searchlight Pictures

O rei (2019)

Por André Dick

Lançado no Festival de Veneza este ano, O rei é uma adaptação não oficial das partes 1 e 2 de Henrique IV e de Henrique V, de Shakespeare, mas certamente seu correspondente mais imediato é a segunda, que teve duas versões consideradas referenciais: uma dos anos 40, com Laurence Olivier, vencedora do Oscar de melhor filme, e a outra do final dos anos 80 dirigida e interpretada por Kenneth Branagh. A trama, passada no século XV, acompanha, desde o início, o conflito de Henry (Timothée Chalamet), ou “Hal”, com seu pai, o rei Henrique IV (Ben Mendelsohn), da Inglaterra. O jovem não demonstra interesse pelo legado do pai, nem por sua compulsão em travar guerras, preferindo andar ao lado de John Falstaff (Joel Edgerton) por tavernas. Trata-se de um veterano de guerra que cuida do príncipe e de suas recorrentes inclinações etílicas, além da constante falta de rumo em sua vida.

Quando seu pai o procura, já adoentado e sem pronunciar direito suas palavras, é para anunciar que Thomas (Dean-Charles Chapman), o irmão mais novo, assumirá o trono, numa espécie de vingança familiar. Para evitar uma nova guerra, Hal vai até o campo de batalha tentar uma manobra, a fim de que seu irmão não sofra, enfrentando o inimigo Hotspur (Tom Glynn-Carney).
David Michôd se revelou no início desta década através do excelente Reino animal, situado em seu país de origem, a Austrália, um thriller que evocava o melhor estilo de Scorsese com uma sensação de estarmos em meio a um faroeste contemporâneo, cercado por uma paisagem urbana desoladora e coberta pelo crime. Roteirista de O rei ao lado de um dos atores daquele seu filme de estreia (assim como lá o vilão era interpretado por Mendelsohn) e aqui fazendo Falstaff, Joel Edgerton, Michôd parece superar a irregularidade de The Rover – uma ficção apocalíptica mais realista e menos nos moldes de Mad Max – e War machine, filme de guerra subestimado tendo à frente Brad Pitt, um dos produtores deste.

Em O rei, ele aposta no talento que tem para o trabalho visual, lembrando, em muitos momentos, os melhores filmes recentes de época, influenciado diretamente pelo Ridley Scott de Robin Hood, mas dialogando também com Legítimo rei, uma espécie de segunda versão de Coração valente. Atento aos designs de época, ao figurino dos soldados e às locações das batalhas notáveis, próprio de um grande diretor, ele possui ainda o auxílio da fotografia de Adam Arkapaw e da trilha sonora de Nicholas Britell, esta bastante discreta quando surgem as cenas de maior tensão, que colaboram para o tom autenticamente histórico de cada sequência. Há, certamente, alguns problemas de transição, de correspondência entre personagens, abrindo espaço para lacunas, correspondentes certamente ao fato de ele ter 140 minutos e muito de seu material ter ficado na ilha de edição.
Ao mostrar Henrique V como uma figura saindo da adolescência, Michôd extrai de Chalamet uma boa atuação, embora ele não esteja à altura de sua presença em Querido menino, em que mostra seu verdadeiro talento. Com uma certa indefinição ainda na composição de seus papéis, oscilando entre nervosismo e uma tentativa de se mostrar um ator capaz de empreender alguns monólogos, Chalamet tem uma presença interessante em O rei, embora seja ofuscado exatamente por Edgerton.

Ou seja, certamente o resultado, embora pareça, não depende apenas dele, e sim do roteiro, que às vezes não transmite seus sentimentos da maneira mais conveniente, fazendo o ator se desdobrar por meio de ações e olhares. É a amizade entre Henrique V e Falstaff a peça que move o roteiro. Quando ela se revela aos poucos, O rei encontra de forma compacta o seu caminho, no entanto isso não ocorre tantas vezes quanto poderia. A ida para a guerra se constitui num momento capaz de lembrar brevemente O resgate do soldado Ryan, apresentando uma iluminação soturna desse período, e há um certo registro de guerra capaz de evocar luminosas sequências de outra obra de Scott, Cruzada, sempre com esmero técnico.
Mchôd coloca esse personagem no centro de muitos outros interessados em criar integras e governar a Inglaterra por meio dele. Um dos que se mostram amigos é William Gascoigne (Sean Harris), mas seu conflito central é com o arcebispo (Andrew Cavill) até chegar ao momento da Batalha de Agincourt, em que se mostra relevante o personagem de Delfim de França.

Este é interpretado de maneira simples e ao mesmo tempo excêntrica por Robert Pattinson, mostrando-se mais uma vez num bom momento e fazendo o que se espera de um coadjuvante: dar a impressão de que sua importância é maior do que aquela que o roteiro lhe oferece, depois de suas colaborações com Eggers (O farol) e Claire Denis (High life). Talvez haja uma falha em colocar dois personagens femininos muito interessantes (interpretados por Lily-Rose Depp e Thomasin McKenzie) de maneira tão rápida e sem tempo para interferir na história como poderiam, porém Michôd não foge ao fato de que, dentro de seus limites, do elo com a história, tudo parece contado de maneira plausível e por vezes emocional. Quando é preciso transportar a narrativa para seu grande momento, o clímax, o espectador é inserido no centro dos acontecimentos.

The king, EUA/AUS, 2019 Diretor: David Michôd Elenco: Timothée Chalamet, Joel Edgerton, Sean Harris, Lily-Rose Depp, Robert Pattinson, Ben Mendelsohn, Thomasin McKenzie Roteiro: David Michôd e Joel Edgerton Fotografia: Adam Arkapaw Trilha Sonora: Nicholas Britell Produção: Brad Pitt, Dede Gardner, Jeremy Kleiner, Liz Watts, David Michôd, Joel Edgerton Duração: 140 min. Estúdio: Plan B Entertainment, Netflix, Blue-Tongue Films, Porchlight Films Distribuidora: Netflix