Twin Peaks – O retorno (Episódio 14) (2017)

Por André Dick

Este texto apresenta spoilers

Na semana passada, depois do episódio 13 da nova temporada de Twin Peaks (disponível na Netflix), escrevi sobre a paciência do espectador sendo testada, principalmente ao final dele. Ao revê-lo, notei melhor a ordem de acontecimentos: Sarah Palmer (Grace Zabriskie) assiste a uma luta de boxe em preto e branco, com problemas na eletricidade da televisão, indicando alguma atividade paranormal na casa. Seriam os woodsmen? Em seguida, vemos Audrey Horne (Sherilyn Fenn) na mesma conversa com o marido, Charlie (Clark Middleton) do episódio 12,  referindo-se a Ghostwood, projeto contra o qual protestava quando ocorreu a explosão no banco no final da segunda temporada. Estaria Audrey num universo paralelo ou ainda no hospital, em coma, imaginando essa vida angustiante? Ela se pergunta como chegar à Roadhouse, pois parece não saber onde fica. Vemos, em seguida, um show de James Hurley (James Marshall) na Roadhouse, cantando a mesma música, “Just you”, que cantou na segunda temporada com Donna Hayward (Lara Flynn Boyle) e a prima de Laura Palmer, Maddie (Shery Lee). Esta música antecipou a aparição de Bob para Maddie, na sala de estar dos Palmer. E como se encerra o episódio? Com Big Ed Hurley olhando o seu posto de gasolina vazio, ao lado de uma tapeçaria com a cabeça de um urso (com a inscrição “Bear with me”, em vez de “Fire walk with me”) e, em seguida, acende um fósforo para pôr fogo num papel para vê-lo queimar. Quem atirava fósforos acesos em Leland Palmer quando ele era criança? Exatamente Bob. David Lynch faz uma conexão de cenas inteligente sob um pano de fundo de analogias e tratando da repetição de tempo, assim como se repete a luta a que Sarah assiste. “Está acontecendo de novo”, os personagens parecem dizer.

Embora eu ainda considere a montagem desses momentos desequilibrada, em relação aos melhores momentos da série, isso de certo modo comprova o que escrevi em alguns textos sobre esta temporada de Twin Peaks: tudo se move mais num espaço conceitual do que na inter-ligação entre os personagens. São imagens que parecem aleatórias e muitas vezes não conversam entre si, mas que possuem um subtexto. Isso não releva os problemas de momentos como esses, apenas mostra que Lynch deseja em muitos momentos destacar conceitos, não os personagens.
A nova Twin Peaks alterna ótimos episódios – principalmente aqueles em que a montagem é mais vagarosa, mas os diálogos e situações significativas – e outros mais fracos – aqueles em que algumas cenas são curtas demais, apresentando personagens para não desenvolvê-los, e outras longas demais, com uma autoindulgência de se achar que tudo que é mostrado tem um significado incomum, e às vezes não tem, talvez para alimentar teorias. E o ponto principal: David Lynch fez do episódio 8 um marco. A partir daí, esperava-se mais dele.

O episódio 14 traz de volta elementos melhor desenvolvidos, fazendo com que o espectador acredite que Lynch poderia ter mantido desse modo todo o tempo. Gordon Cole (David Lynch) liga para a delegacia de Twin Peaks, sendo atendido por Lucy (Kimmy Robertson). Falando com o xerife Frank Truman (Robert Forster), este lhe passa a informação sobre o diário de Laura Palmer com a informação de que há “dois Coopers”. Enquanto isso, Thammy Preston (Chrysta Bell) se reúne com Albert Rosenfield (Miguel Ferrer) para tratar de detalhes das investigações envolvendo a “Rosa Azul”. Ele comenta sobre o primeiro caso: Lois Duffy, que atirou e matou seu próprio duplo e antes de desaparecer teria dito: “Eu sou como a Rosa Azul”. Em seguida chegam Cole, incomodado pelo som de um homem limpando a janela, e Diane (Laura Dern). Sabendo das informações sobre Dougie Jones, a surpresa é Diane dizer que é irmã de Janey-E (Naomi Watts). Por sua vez, Cole recorda de um sonho que teve com a atriz Monica Bellucci, remetendo a uma passagem mostrada em Twin Peaks – Fire walk with me, no qual apareciam Phillip Jeffries (David Bowie)  e o agente Cooper (Kyle MacLachlan) em seu escritório no FBI. Um momento de grande tensão e mescla entre série e filme muito bem-sucedida, é ponto alto desse episódio, pela montagem empregada e pela fala de Bellucci: “Somos como o sonhador que sonha e vive dentro do sonho… mas quem é o sonhador?”.

Em Twin Peaks, Bobby Briggs (Dana Ashbrook), xerife Truman (Robert Forster), Hawk (Michael Horse) e Andy (Harry Goaz) vão até o Palácio de Jack Rabbit, lugar indicado por um das pistas do Major Briggs reveladas no episódio 9. Vejamos que depois de quatro episódios esta trama regressa, mesmo sendo mais importante do que outras. O resultado é um reencontro com o clima principalmente da segunda temporada, quando a equipe do xerife e o agente Cooper vão até a Caverna da Coruja, e a ação focada no bosque misterioso de Twin Peaks emprega uma boa mescla entre nostalgia e desenvolvimento da história, ausente, sobretudo, no episódio anterior. A última vez em que alguém da equipe policial esteve à procura de pistas no bosque foi Hawk no início desta temporada, depois da conversa com a Senhora do Tronco. A atmosfera da série se fortalece apenas por meio da paisagem misteriosa, fugindo ao cenário da delegacia e do escritório de Ben Horne no Greath Northern, que basicamente concentraram as ações de Twin Peaks até o momento. As pistas do Major Briggs levam à moça (Nae Yuuki) sem olhos do terceiro episódio, que o agente Cooper encontrava antes de ir até o cubo no espaço sideral, deitada no bosque, desnuda. Impressiona nesta sequência é a construção: Truman, Hawk, Bobby e Andy veem um portal no céu parecido com aquele vislumbrado por Gordon Cole no episódio 11. Andy é transportado, então, para o que entendemos ser o White Lodge, do episódio 8, onde se encontra com o Gigante, agora se intitulando Bombeiro (Carl Struycken). Com um espelho gigante no teto, ele visualiza várias cenas, como a da menina correndo quando é anunciada a morte de Laura Palmer no primeiro episódio, assim como Lucy, a imagem de Laura entre dois anjos (que remete ao filme), os woodsmen na loja de conveniência, o poste com o número 6 do parque de trailers de Carl Rodd (do episódio 6 e do filme), recordando a ligação do Black Lodge com a eletricidade, e os dois Coopers: do bem e do mal.

Andy e Lucy abrigam a jovem numa das celas da delegacia, enquanto Chad Broxford (John Pirruccello), preso por seu tráfico, está em outra, tentando calar um homem bêbado (Jay Aaseng) que sangra – numa cena tipicamente de terror. Recordando os latidos de Bobby no primeiro episódio de Twin Peaks, não parece ser o melhor lugar para Chad dormir pensando no que fez.
O relato do jovem Freddie Sykes (Jake Wardle) a James Hurley (James Marshall), seguranças no Greath Northern, envolve justamente o Bombeiro: ele teria recebido um recado dessa figura ao se deparar com esses portal visto por Cole e pelo corpo policial em Londres, tendo, a partir daí, de vestir uma luva de borracha verde cobrindo permanentemente a sua mão, o que sugere uma espécie de sátira aos filmes de super-heróis. Eles precisam aguardar o que está no forno do hotel, quando Hurley adentra um espaço de filme de terror.
Num episódio passado praticamente todo em Twin Peaks, pela primeira vez neste retorno, acompanhamos Sarah Palmer (Grace Zabriskie) entrando num bar para pedir um Bloody Mary quando é abordada por um homem. Pedindo que ele saia, sem ser atendida, Sarah retira seu rosto – como Laura faz no Black Lodge no início desta temporada – e, ao invés de vermos luz, há uma escuridão. Ela mata o homem com uma mordida que lembra A hora do espanto, mas sem deixar rastro. Isto não é Twin Peaks, é Dario Argento. Uma atmosfera aterradora e se pode notar que Sarah tem mais proximidade dos woodsmen do que imaginávamos. Logo vamos para a Roadhouse, onde duas mulheres conversam sobre Tina e Billy, as figuras a quem Audrey Horne se referia nos episódios anteriores. Uma delas é Megan (Shane Lynch), filha de Tina, e a outra Sophie (Emily Stofle, esposa de David Lynch). Billy não seria o homem que está na cela em Twin Peaks com uma poça de sangue a seus pés?
Este é um capítulo realmente incomum, mesmo em meio àqueles que já vimos nesta temporada, talvez o mais original, sem sair do tom, desde o oitavo e com uma inserção na análise dos sonhos, inclusive no relato de Freddie a James, e num surrealismo funcional e assustador. David Lynch desde sempre falou que seria um filme dividido em 18 episódios. Apenas se lamenta que o agente Cooper ainda seja Dougie Jones – cujos recursos cômicos infelizmente se esgotaram – a quatro partes do final, por outro lado representando uma sugestão de que haverá uma quarta temporada, enfim, com o personagem, justificando toda essa demora. Um episódio como esse realmente justificaria uma continuidade. É um dos mais interessantes da série e surge num momento em que tudo parecia indicar histórias circulares. Funcionando como um filme, insere Twin Peaks numa linhagem de Além da imaginação, com mistérios envolvendo a humanidade e tudo sendo traduzido em lendas de uma grande aldeia universal. Uma notável superioridade em relação aos quatro episódios anteriores e se unindo ao que de melhor foi apresentado nesta temporada.

Twin Peaks – Episode 14, EUA, 2017 Diretor: David Lynch Elenco: Kyle MacLachlan, David Bowie, Robert Forster, David Lynch, Michael Horse, Harry Goaz, Monica Bellucci, Grace Zabriskie, Miguel Ferrer, Chrysta Bell, Dana Ashbrook, James Marshall, Nae Yuuki, Carl Struycken, John Pirruccelli, Jay Aaseng, Jake Wardle, Emily Stofle, Shane Lynch Roteiro: David Lynch e Mark Frost Fotografia: Peter Deming Trilha Sonora: Angelo Balalamenti Produção: David Lynch e Mark Frost Duração: 58 min. Distribuidora: Showtime

007 contra Spectre (2015)

Por André Dick

Spectre.Filme 17

Alguns anos depois de 007 – Operação Skyfall, Sam Mendes relutou em voltar à franquia de James Bond, mas, convencido pelo estúdio, rodou mais este 007 contra Spectre. Segundo boa quantidade de admiradores do personagem, ele não deveria tê-lo feito, ou seja, teria sido melhor ele ter deixado sua marca apenas no anterior. Se a franquia com Daniel Craig no papel do agente britânico está em seu quarto filme, e Skyfall é considerado o melhor, seguido por Cassino Royale, deve-se admitir que este novo empreendimento está muito longe de ser o fracasso que quiseram transformá-lo. Pelo contrário, desde seu início no Dia dos Mortos na cidade do Novo México, quando James Bond está atrás de Marco Sciarra (Alessandro Cremona), e antes seduz uma latina para, então, partir de vez ao serviço programado, e o embate se dá num helicóptero, 007 contra Spectre se transforma no filme mais sólido do herói desde 007 – A serviço secreto de sua majestade, o único filme protagonizado por George Lazenby de uma série que já contou, entre seus atores, com Sean Connery, George Moore, Timothy Dalton e Pierce Brosnan.

Spectre.Filme 5

Spectre.Filme 6

Spectre.Filme 14

Daniel Craig sempre fez o James Bond mais bruto da história e aqui acontece o mesmo: a sua ação, desde o início, não é exatamente pela conversa mais ponderada, e sim pela ação da arma. Por isso, talvez M (Ralph Fiennes) queira desativar a sua função, o que Bond não considera, à medida que conta com a ajuda de Q (Ben Wishaw) e Moneypenny (Naomie Harris), em momentos de humor que estavam no mínimo ausentes em 007 – Operação Skyfall e sempre fizeram parte do personagem. Sua ida de Londres para Roma marca um dos grandes momentos da série, quando ele precisa encontrar a mulher de Sciarra, Lucia, feita por uma ótima Monica Bellucci (embora em papel diminuto), e depois se depara com uma seita que nada fica a dever para aquela de De olhos bem fechados, de Kubrick.
Eis um dos melhores momentos da trajetória de Sam Mendes: a construção de suspense dessas cenas desencadeia um 007 realmente mais soturno, mesmo em relação ao anterior, por causa também da fotografia notável de Hoyte Van Hoytema (de Interestelar e Ela), que rende uma das melhores cenas de perseguição. Que o 007 de Skyfall já lidava com traumas do passado do personagem e sua relação com M era, sem dúvida, uma conquista de Mendes e também do diretor de fotografia Roger Deakins, neste parece que o espectador consegue entrar na mente de Bond, como em determinado momento do filme, vendo seus temores. Isso fica claro numa sequência-chave em que ele encontra um determinado homem que o levará à personagem de Madaleine Swann. Que Léa Seydoux não está tão à vontade neste papel, é determinante para que se torne uma das bond girls mais discretas da história. No entanto, tal atitude não extrai de sua presença enigmática uma ponte com o passado do agente, capaz de explicar não apenas o filme, como também os capítulos anteriores, junto com Franz Oberhauser (Christoph Waltz), ou seja, há um espectro rondando 007 realmente, ritmado pela trilha de Thomas Newman, que aproveita temas clássicos dando uma roupagem de suspense.

Spectre.Filme 7

Spectre.Filme 15

Spectre.Filme 11

O que mais torna o James Bond de Craig interessante desde Cassino Royale é seu equilíbrio entre a força incalculável e uma certa vulnerabilidade em qualquer confronto que precisa enfrentar – e da qual o espectador não sabe se sairá bem, desde o momento em que acaba tomando um whisky de forma descuidada em Cassino Royale. Ainda assim, essa vulnerabilidade é que estabelece o personagem como um ser humano e não meramente um agente secreto capaz de defender as cores da Rainha da Inglaterra desde sua origem.
Mendes, de maneira sugestiva, coloca os momentos iniciais numa claridade que serão ofuscados pela noite tanto da Inglaterra quanto de Roma, onde se dará o início dos eventos que levarão ao grande confronto, e durante a narrativa vai alternando lugares escuros com lugares claros dependendo das motivações estarem evidentes ou não para Bond. Há um enigma em 007 contra Spectre que não havia nos filmes anteriores de Craig e dificilmente foram tratados em algum momento. Sam Mendes é um cineasta irregular, mas muito interessante, capaz de ter se consagrado já no início de carreira com Beleza americana e sucedendo a trajetória com filmes que mostram os recantos escuros da América, a exemplo de Estrada da perdição, Soldado anônimo e Foi apenas um sonho, além de seu singelo Distante nós vamos, irrealizado filme sobre um casal querendo criar laços entre si e com os outros. Em todos esses filmes, Mendes mostra a fragilidade das relações, no entanto sempre oferece uma espécie de segunda chance a seus personagens.

Spectre.Filme 16

Spectre.Filme 4

Spectre.Filme

Num determinado encontro com Madeleine, a claridade do vagão de trem não chega a iluminar por completo uma cena que certamente vai desencadear algo muito remoto e escondido dentro de cada um desses personagens, além da ameaça de Mr. Hinx (Dave Bautista). É como se David Fincher estivesse fazendo um capítulo da franquia de 007, e não por acaso, mesmo pela presença de Craig, temos indícios da presença de Millennium na maneira como as paisagens são enquadradas, embora Rooney Mara seja mais participativa do que Seydoux e estabeleça uma parceria mais convincente com o ator. O ritmo empregado por Mendes traz um equilíbrio entre as paisagens espetaculares e as ações, com uma elegância incomum, já entrevista em Operação Skyfall, mas que chega ao ápice neste filme. Sua necessidade de mostrar James Bond como uma figura complexa, sempre ligado a uma questão familiar, é uma das saídas mais interessantes do período da série em que Daniel Craig está à frente. Mendes, com isso, nunca o mostra como um agente voltado apenas para sua missão, e sim como uma figura com virtudes e falhas. Desse modo, 007 contra Spectre é uma peça de alta tensão, feita realmente com a dedicação dada a um filme de Bond e que alterna cenários distintos como a naturalidade de quem muda o figurino do personagem central.

Spectre, Reino Unido, 2015 Diretor: Sam Mendes Elenco: Daniel Craig, Christoph Waltz, Léa Seydoux, Ben Whishaw, Naomie Harris, Andrew Scott, Monica Bellucci, Ralph Fiennes, Dave Bautista Roteiro: John Logan, Neal Purvis, Robert Wade Fotografia: Hoyte Van Hoytema Trilha Sonora: Thomas Newman Produção: Barbara Broccoli, Michael G. Wilson Duração: 148 min. Distribuidora: Sony Pictures Estúdio: B24 / Columbia Pictures / Eon Productions / Metro-Goldwyn-Mayer (MGM) / United Artists

Cotação 4 estrelas e meia