Jurassic World – O mundo dos dinossauros (2015)

Por André Dick

Jurassic world 16

Em 1993, no mesmo ano em que lançou A lista de Schindler, pelo qual recebeu o Oscar de melhor filme e direção, Spielberg voltou ao antigo ingrediente que o consagrou na série Indiana Jones num dos maiores blockbusters já feitos, Jurassic Park. Baseada num excelente romance de Michael Crichton (também autor do roteiro, com David Koepp), a narrativa se concentra na jornada de um paleontólogo (Sam Neill) e sua mulher, uma paleobotânica (Laura Dern), até a Ilha Nublar, próxima à Costa Rica, onde se localiza um recém-criado parque dos dinossauros administrado por um magnata (o também diretor Richard Attenborough). As criaturas pré-históricas voltaram a existir por causa de um experimento genético e mosquitos congelados em rochas, assustando tanto a dupla de doutores quanto um matemático (Jeff Goldblum), que estão na ilha para inspecionar o parque. As cenas a partir daí são um marco para o cinema de ação.
Apesar da lição de moral previsível, Jurassic Park tem uma qualidade inegável: empolga o espectador, que acaba gostando, diante de um roteiro bem solucionado e um elenco talentoso. Além disso, o capricho na parte técnica (sobretudo nos efeitos especiais espetaculares, que continuam os melhores nessa área) tornam o filme uma obra única na história, capaz de suscitar imitações e manter a originalidade.
Também deu origem a duas continuações, a primeira novamente dirigida por Steven Spielberg (com Julianne Moore à frente do elenco) e a segunda, de Joe Johnston, embora o maior filme com dinossauros depois do primeiro Jurassic Park possivelmente seja King Kong, de Peter Jackson. E, se a primeira continuação, O mundo perdido, ainda consegue render uma boa sessão, Johnston não consegue trazer inovação. Já fazem 14 anos desde este último experimento, e desde lá os dinossauros parecem um tanto adormecidos nas grandes telas.

Jurassic world 2

Jurassic world 8

Jurassic world 18

A expectativa é de que Jurassic World – O mundo dos dinossauros, a nova continuação, não mais dirigida por Spielberg (que apenas produz) e sim por Colin Trevorrow, fosse trazer uma certa magia poucas vezes reencontrada. Deve-se lembrar que Spielberg, afastado dos blockbusters, conseguiu transformar Jurassic World na maior bilheteria de abertura da história. Esta grandeza é acompanhada novamente pelas criaturas. Lá estão elas novamente, junto com um novo casal – embora sempre em briga – formado por Owen Grady (Chris Pratt) e Claire Dearing (Bryce Dallas Howard) . Ela é uma executiva responsável pelo funcionamento do parque, enquanto ele treina investiga o comportamento dos velociraptors. Em torno deles, a pesquisa do geneticista Dr. Henry Wu (B.D. Wong) produziu o Indominus rex, um híbrido de vários dinossauros, mas que lembra substancialmente um Tiranossaurus Rex. O objetivo: atrair mais pessoas para o parque, pois sua visitação tem diminuído e o público pede por novidades.
Depois de sua irmã Karen Mitchell (Judy Greer) enviar os dois sobrinhos para o parque, Zach (Nick Robinson) e Gray (Ty Simpkins), a fim de que se divirtam, Claire consegue se desvencilhar deles, que ficam uma cuidadora. Esses personagens formam as mesmas características do primeiro Jurassic Park e as crianças novamente estão interessadas em se envolver com o que está escondido na mata. Temos ainda o dono do Jurassic World, Simon Masrani (Irrfan Khan), com as mesmas dúvidas do dono original.
Indefinido entre ser uma continuação ou um remake, Jurassic World infelizmente não funciona, de modo geral, nessas duas concepções. Neste ano, tivemos o altamente subestimado remake de Poltergeist, mesmo com todas suas falhas. Não seria Trevorrow que conseguiria emular Spielberg: ele procura os meios iguais, e a mesma tendência não só ao uso do clássico sinfônico de John Williams, mesmo com a trilha nova de Michael Giacchino, os mesmos temas (a separação dos pais para os filhos), a mesma manipulação emocional e a mania de os personagens se transformarem subitamente pela força de vontade, no entanto ele não é Spielberg e tudo parece soar um pouco desconjuntado.

Jurassic world 5

Jurassic world 14

Jurassic world 10

Claire passa de uma executiva de terno a uma espécie de Ripley quando apresenta sua regata e diz que nunca mais abandonará os sobrinhos, dos quais queria distância, enquanto Owen tem um domínio insuspeito sobre os velociraptors (eles parecem querer conversar). Não só Owen parece querer conversar com as criaturas, como também Vic Hoskins (Vincent D’Onofrio), o chefe da segurança do lugar, aquele que trocaria todas as milhares de pessoas em visita ao parque por uma tentativa de estabelecer contato com dinossauros geneticamente alterados. Quando ele age, o saco de risos está preparado. As crianças ouvem avisos de perigo, para abandonar o bote, mas é inevitável que elas devem seguir o mesmo caminho do primeiro Jurassic Park. O complicado aqui é que os dinossauros parecem acompanhar até mesmo as placas de trânsito e Owen, além de conversar mentalmente com os velociraptors, tem o ímpeto de correr de moto entre os dinossauros, à noite, numa mata fechada.
Tudo é grandioso como o primeiro Jurassic Park, sem, contudo, o mesmo ritmo e a mesma vida. Os cortes oferecidos pelo diretor são pouco elegantes e quando não pretende mostrar uma cena violenta faz o sangue respingar como numa produção B, além do design de produção francamente decepcionante, uma réplica daquele que vemos nos três anteriores.
Pratt é subutilizado, pois tem uma boa veia para o humor (praticamente ausente da narrativa), já mostrada em Guardiões da galáxia, e Dallas Howard não tem oportunidade de revelar sua porção dramática, usada com intensidade em A vila e Histórias cruzadas, por exemplo, para dar à sua presença mais do que uma conversão repentina. Neill e Laura Dern, do primeiro, neste caso, realmente agiam como seres envolvidos com este universo: em Jurassic World, o casal é apenas uma lembrança de que pode haver romance num filme de verão. E, também por causa do roteiro, Nick Robinson e Ty Simpkins não conseguem se destacar.

Jurassic park 12

Jurassic world 3

Jurassic world 11

Não sem tentativa. Assim como a refilmagem de Godzilla, do ano passado, este Jurassic World procura abordar temas científicos, sobre a criação híbrida de dinossauros, podendo chegar a uma inteligência inesperada. O personagem de Owen é justamente contra isso, e algumas vezes ele entra em discordância com Claire e Vic sobre como tratar as criaturas pré-históricas. No entanto, esta faceta realmente apenas tenta dialogar com a do primeiro filme, melhor desenhada pelo personagem de Sam Neill. A partir daí, Trevorrow parece homenagear algumas peças de que gosta, como Tubarão e Os pássaros (este talvez na melhor sequência). O roteiro, mesmo escrito a oito mãos, pelo diretor, mais Derek Connolly, Rick Jaffa e Amanda Silver, não mostra uma única vez algo que não pareça já programado antes da primeira escrita. Nesse sentido, é cada vez mais comum se justificar que um filme de ação não precisa de desenvolvimento de roteiro nem de personagens minimamente interessantes. Se esta é sua expectativa, Jurassic World é um parque de diversões. Mas é, ao mesmo tempo, uma grande falha, ao não transpor a nostalgia de vinte anos atrás para algo que ressoe uma emoção verdadeira, não apenas conduzida pelas bilheterias.

Jurassic World, EUA, 2015 Diretor: Colin Trevorrow Elenco: Chris Pratt, Bryce Dallas Howard, Vincent D’Onofrio, Ty Simpkins, Nick Robinson, Omar Sy, B.D. Wong, Irrfan Khan, Jake Johnson, Brian Tee, Lauren Lapkus, Katie McGrath, Judy Greer, Andy Buckley Roteiro: Colin Trevorrow, Derek Connolly, Rick Jaffa e Amanda Silver Fotografia: John Schwartzman Trilha Sonora: Michael Giacchino Produção: Frank Marshall, Patrick Crowley, Thomas Tull Duração: 126 min. Distribuidora: Universal Pictures Estúdio: Amblin Entertainment / Universal Pictures

Cotação 2 estrelas

 

As aventuras de Pi (2012)

Por André Dick

As aventuras de Pi 5

Baseado num romance de Yann Martel (que, depois de ganhar o prêmio Prêmio Booker, confessou que havia se inspirado no livro Max e os felinos, do escritor brasileiro Moacyr Scliar), esta aventura dramática antecede a temporada dos bons filmes potencialmente favoritos a concorrer ao Oscar, depois do decepcionante Argo. O diretor chinês Ang Lee assumiu o filme depois de alguns cineastas serem cotados para o projeto, como M.Night Shyamalan e Jean-Pierre Jeunet, e imprimiu seu habitual talento para cenas de aventura dramática, o que já havia mostrado em O tigre e o dragão e em alguns momentos de Hulk (sua contestada adaptação, prejudicada pela atuação de Eric Bana e pelos efeitos especiais exagerados).
Ele inicia o filme com Piscine Molitor Patel (Irrfan Khan), batizado com este nome por causa de uma piscina de Paris que encantou seu pai (Adil Hussain), contando o motivo de seu nome ser assim e sobre sua vida até a adolescência em Pondicherry, na Índia, a um escritor que o procura em busca de uma história interessante, o próprio Martel (Rafe Spall, em papel que seria de Tobey Maguire). Parte de uma família que não aprecia a religião, Pi, como começa a ser chamado depois na escola – em razão de seu conhecimento matemático –, pelo contrário, quer aprender sobre todas as religiões: desde o hinduísmo, passando pelo islamismo até o cristianismo. Sua família também cuida de um zoológico, em que o maior atrativo é Richard Parker, um tigre de Bengala.
É Suraj Sharma que passa a interpretar Pi na adolescência, quando a família precisa ir para o Canadá, a fim de vender seu zoológico e recuperar dinheiro. Durante a viagem, no entanto, acontece um naufrágio, e esta é a sequência mais impressionante do filme, no duelo entre as ondas gigantes e o enorme cargueiro que transporta a sua família, e Pi precisa se refugiar num bote com uma hiena, uma zebra, um orangotango e o tigre de Bengala Richard Parker. O tigre, no entanto, quer devorá-lo, começando um duelo pela ocupação de espaço, fazendo com que Pi precise ficar em uma balsa ao lado do bote. Todo esse desenvolvimento é feito por Ang Lee da maneira mais detalhada, com Pi descobrindo, aos poucos, como se manter em alto-mar e como lidar com o tigre, com o qual passou um momento delicado na infância. Ainda mais: Ang Lee costura algumas das cenas mais belas do ano, em que o azul do céu se funde ao da água, e em que surgem os animais mais exóticos e espetaculares. Tudo, no entanto, parece mesclado com a fantasia, pois Pi deseja se ausentar também daquela condição terrível.

As aventuras de Pi

Se a primeira parte, com seu fundo religioso, parece um tanto esquemático demais, para dar entrada à segunda parte, em que as palavras se traduzem em imagens, As aventuras de Pi nunca desce a um fundo de fábula com uma lição de moral para encantar a plateia, como poderia. É verdade que Ang Lee parece um pouco desconfortável com o cenário da Índia – não o fotografa da maneira mais interessante, como o faz Madden em O exótico Hotel Marigold –, e com uma fotografia às vezes que esconde os grandes planos, contudo, quando chega em alto-mar, sua visão detalhista nos traz o filme especial que parecia escondido.
Com a fotografia de Claudio Miranda (o mesmo de O curioso caso de Benjamin Button) e os movimentos de câmera para mostrar o personagem à deriva, em sua luta pelo território com o tigre, As aventuras de Pi ingressa num terreno pouco vislumbrado no cinema: a ligação entre o sentido de uma aventura inesperada com uma busca por um Deus que seja comum para o universo que o personagem cultiva. Ang Lee consegue contrabalançar a relação entre a água e a carne. A família de Pi é vegetariana e ao chegarem ao navio logo se desentendem com o cozinheiro (Gérard Depardieu) e há um momento em que Pi é levado a beber água benta numa igreja – quando tem o primeiro contato com a figura de Jesus Cristo. Depois, ele diz à família que deseja ser batizado. A carne e a água simbolizam a humanidade e também a sobrevivência. E quando Pi precisa enfrentar os temores no mar que se defronta com a falta de comida e a necessidade de caçar peixes. Os animais, principalmente o tigre de Bengala, também precisa se alimentar – como reflete Pi, ele precisa, como era tratado no zoológico, de toneladas de carne. Depois da tormenta, Pi precisa colher água com os baldes, enquanto toma a água que cai do céu ao mesmo tempo. O tigre de Bengala precisa, em determinado momento, caçar, e o alimento pode ser, também, um convite a ficar ao relento. Este momento remete a quando Pi tentou, na infância, lhe dar um pedaço de carne com a mão, e o pai quer que os filhos vejam, para aprender, uma cabra sendo devorada pelo animal.
Tudo é feito de maneira muito discreta por Lee, um cineasta especializado em simbologias, lembrando tambem o belo O segredo de Brokeback Mountain. Ele é um cineasta que consegue lidar com personagens em situações isoladas e representar este isolamento da melhor forma. Mais do que a vida de Pi que somos atraídos a olhar, Lee tece uma ligação dele com os personagens humanos que nunca se confirma, nem mesmo em seu olhar adulto.

As aventuras de Pi 2

É assim que Lee condiciona a que olhemos sua relação com os animais da melhor forma possível, pois cada detalhe pelo qual passa ajuda a explicar melhor essa jornada que se faz no exterior, mas na verdade é interna. Como em O tigre e o dragão, Lee dispõe essas informações mais subjetivas de modo calibrado, sem cair num tom sentencioso. Se lá ele contava com um elenco excelente, aqui seu apoio é Suraj Sharma, o ator que interpreta Pi, estreante, mas de grande talento. Ele consegue passar as emoções, que poderiam ser inconstantes, na dose exata, empregando o mesmo ritmo do diretor, ou seja, sem fazer a narrativa se perder mesmo nos momentos de menos intensidade. Nos momentos derradeiros, sobretudo, ele consegue criar um paralelo de tudo o que aconteceu com seu destino – já na atuação de Khan, mais elogiado do que Sharma, embora não com o mesmo impacto.
Não existe aqui um experimentalismo vazio, ou seja, Lee basicamente exerce o experimentalismo de imagens com efeitos especiais notáveis (talvez só percam este ano para os de O hobbit), mas ainda assim o final consegue surpreender e deixar o espectador em suspenso, para que possa refletir o que passou. É possível se enganar, achando que o filme tenta convencer o espectador a ter uma determinada religiosidade. Parece que Lee transparece mais o ímpeto do ser humano em acreditar em algo, na própria fantasia que carrega e da qual pode se alimentar a fim de que não perca sua força. É disso que trata a terceira parte do filme. Ou seja, não é um jogo de Lee com uma espécie de densidade sem fundo nem solidez. Quando ele mostra as estrelas à noite, acima de Pi, rodando a câmera, ou mostra os peixes em círculos embaixo do bote, ele revela uma espécie de círculo completo, que se completa, com o olhar ao horizonte. Neste instante, as aventuras se transformam realmente na vida de Pi, como está no título original. E torna-se possível sentir cada momento do personagem, em toda sua amplitude.

The life of Pi, EUA, 2012 Diretor: Ang Lee Elenco: Irrfan Khan, Gérard Depardieu, Suraj Sharma, Adil Hussain, Ayush Tandon Produção: Ang Lee, Gil Netter, David Womark Roteiro: David Magee, baseado na novela de Yann Martel Fotografia: Claudio Miranda Trilha Sonora: Mychael Danna Duração: 129 min. Distribuidora: Fox Film Estúdio: Fox 2000 Pictures / Rhythm and Hues

Cotação 4 estrelas