10 possíveis candidatos ao Oscar de melhor filme em 2019

Por André Dick

Abaixo, seleciono alguns possíveis indicados ao Oscar de melhor filme em 2019. Em 2017, acertei apenas 3 candidatos; em 2018, acertei 5. Neste embalo, o Cinematographe vai acabar antecipando todos os indicados 😂, servindo como referência para quem gosta de fazer previsões – isso se a Academia de Hollywood colocar 10 filmes na disputa principal, o que não faz desde 2012. Esta lista sai antes de premiações importantes (Independent Spirit Awards, BAFTA, Globo de Ouro, Festival de Cinema Internacional de Toronto, principalmente), ou seja, depois dos vencedores e indicações delas, as coisas se aclaram um pouco mais. As probabilidades se baseiam em recepção crítica (dos que estrearam até agora; alguns podem ainda ser mal recepcionados) e temas tratados, que agradam mais ou menos à Academia, além dos gêneros de filmes. Por isso, coloco também cinco filmes numa repescagem.

Nasce uma estrela

Estreia na direção de Bradley Cooper, esta nova adaptação da obra de William A. Wellman segue os passos do cantor Jackson Maine (o próprio ator), que se apaixona por uma estrela quase em queda, Ally (Lady Gaga). A boa recepção no Festival de Veneza indica que este é um dos grandes cotados para o Oscar. E mais ainda: vai na linha de La La Land, trazendo à tona o mundo da música, embora aqui não com danças ou direção de arte especialmente criativa. Pelas imagens do trailer e críticas, esta versão dialoga muito com a de 1976, que tinha Kris Kristofferson e Barbra Streisand.

O primeiro homem

Depois do grande desempenho de La La Land, recebendo 6 Oscars, o novo filme de Damien Chazelle mostra a vida do astronauta Neil Armstrong (Ryan Gosling) e sua rotina com a sua primeira esposa Janet Shearon (Claire Foy), até começar a fazer parte da missão coordenada pela Nasa em direção à Lua. As imagens do trailer, com a fotografia de Linus Sandgren, remetem ao estilo de Terrence Malick de A árvore da vida. Ainda no grande elenco estão Jason Clarke, Kyle Chandler, Corey Stoll, Ciarán Hinds, Christopher Abbott, Patrick Fugit e Lukas Haas (o menino de A testemunha). É o filme com mais embalagem de Oscar do ano.

If Beale Street could talk

Baseado num romance de James Baldwin, o novo filme de Barry Jenkins, de Moonlight – Sob a luz do luar, traz no elenco Stephan James, KiKi Layne, Teyonah Parris e Regina King. Kiki Layne é Clementine “Tish” Rivers, apaixonado por Fonny (Stephan James), acusado de estupro. Ela descobre estar grávida e luta para que o marido possa sair da prisão. Será exibido no Festival de Toronto.

Beautiful boy

Este filme, dirigido pelo belga Felix Van Groeningen (Alabama Monroe), está sendo apontado como um dos preferidos da crítica. Traz a amizade e os conflitos entre um pai, Davis Sheff (Steve Carell), e seu filho Nic (Timothée Chalamet). Ele tem elementos para o prêmio, mas Carell ainda é visto com desconfiança pela Academia (foi indicado apenas por Foxcatcher, apesar de suas atuações extraordinárias em A grande aposta e A melhor escolha) e Chalamet já teve muitos holofotes com Me chame pelo seu nome, o que pode ser tão positivo quanto negativo em relação a este filme. Ainda assim, tem todos os elementos para surpreender.

Roma

Produção da Netflix vencedora do Leão de Ouro de melhor filme no Festival de Veneza, Roma prossegue a trajetória exitosa de Alfonso Cuarón, Oscar de direção por Gravidade. Ele faz o mesmo movimento que efetuou depois de sua versão de Grandes esperanças em 1998 em Hollywood, voltando à época ao México para filmar …E sua mãe também. A história foca Cleo (Yalitza Aparicio), de origem indígena, que trabalha como empregada doméstica para uma família de classe média na Cidade do México. Por ser da Netflix, seria uma surpresa a indicação principal – entretanto, sendo de Cuarón, é uma possibilidade. A fotografia em preto e branco é do próprio diretor, substituindo sua parceria com Emmanuel Lubezki.

Eighth grade

O mais antimainstream dos possíveis indicados, Eighth grade é dirigido por Bo Burnham, de 28 anos, conhecido nos Estados Unidos por ser comediante e um youtuber.  A distribuidora A24, que teve um grande 2018, parece menos competitiva este ano. Hereditário não é cotado, assim como Clímax, de Gaspar Noé, e Under the Silver Lake, mal recebido em Cannes. A tarefa ficou com este filme, lançado em Sundance. Ele conta a história de Kayla Day (Elsie Fisher), de 13 anos, que passou sua última semana na Suffern Middle School. Ela lança alguns vídeos no YouTube, mas não recebe a atenção que quer. Eighth grade tem todos os elementos para ser o Lady Bird deste ano.

The favourite

O cineasta grego Yorgos Lanthimos vem sendo acompanhado desde os sucessos Dente canino, Alpes O lagosta e teve um grande momento em 2017 com O sacrifício do cervo sagrado. Nesta peça histórica, ele mostra por que pode ser lembrado pela Academia, depois de receber o Grande prêmio do júri e de melhor atriz (Olivia Colman) no Festival de Veneza. A história se passa na Inglaterra, durante o século XVIII, quando a rainha Anne (Colman) tem uma amiga, Sarah Churchill (Rachel Weisz), governando na realidade em seu lugar. Surge uma nova serva, Abigail Masham (Emma Stone), que é prima de Sarah e passa a ser a nova favorita da rainha. O design de produção é fabuloso, lembrando Barry Lindon e Maria Antonieta.

Infiltrado na Klan

Lançado no Festival de Cannes de 2018, esta talvez seja a oportunidade de Spike Lee ficar mais próximo de um Oscar depois de concorrer pelo roteiro original de Faça a coisa certa. O filme mostra Ron Stallworth (John David Washington), contratado como o primeiro detetive negro no departamento de polícia de Colorado Springs, Colorado. Junto com Flip Zimmerman (Adam Driver), ele pretende desbaratar um grupo da Ku Klux Khan. Lee não costuma ter grandes chances ao Oscar grande parte das vezes (o melhor exemplo é sua cinebiografia Malcolm X, praticamente esquecido nos anos 90, não fosse a indicação para Denzel Washington), porém esta produção vem agradando em geral, o que lhe oferece mais chances.

Mary Queen of Scots

Esta obra de Josie Rourke mostra Mary Stuart (Saoirse Ronan) tentando fazer com que sua prima Elizabeth (Margot Robbie) seja condenada. A junção das atrizes que fizeram sucesso no ano passado com Lady Bird e Eu, Tonya, respectivamente, além da reconstituição de época maravilhosa, faz deste filme um dos possíveis candidatos. Trata-se de um retrato sobre uma relação conflituosa, que, pelo trailer, pode apelar à extrema qualidade ou ao overacting, dependendo da abordagem.

Boy erased

Dirigido pelo ator australiano Joel Edgerton, Boy erased tem um elenco surpreendente, incluindo Russel Crowe, Nicole Kidman, Lucas Hedges e o próprio Edgerton. Hedges, revelação de Manchester à beira-mar e que no ano passado esteve em Três anúncios para um crime e Lady Bird, interpreta Jared Eamons, que é filho de um pastor batista, Marshall (Crowe), e de Nancy (Kidman), no interior dos Estados Unidos e precisa participar de um programa que tentará mudar sua orientação sexual, coordenado pelo terapeuta mental Victor Sykes (Edgerton). É um tema que costuma agradar à Academia de Hollywood.

Repescagem

Widows

Esta nova obra de Steve McQueen é sua primeira depois do êxito de 12 anos de escravidão no Oscar. Ela segue a vida de quatro viúvas que, depois de seus maridos (Liam Neeson, Manuel García-Rulfo, Jon Bernthal e Garret Dillahunt) morrerem, começam a atuar como criminosas. O elenco apresenta Viola Davis, Michelle Rodriguez, Elizabeth Debicki e Cynthia Erivo à frente de uma narrativa baseada em roteiro de McQueen e Gillian Flynn, autora de Garota exemplar e Lugares escuros, a partir de um livro de Lynda La Plante.

The ballad of Buster Scruggs

O novo filme dos irmãos Joel e Ethan Coen teve ótima recepção em Veneza, recebendo o prêmio de melhor roteiro. Seu problema é extrafilme: James Franco está em seu elenco e, desde as acusações de assédio no ano passado, seu nome não é bem visto em Hollywood. Distribuído também pela Netflix, ele é um faroeste episódico, com o bom humor conhecido dos seus autores. Pode surpreender, como já o fizeram Fargo e Onde os fracos não têm vez, ou decepcionar, a exemplo de Inside Llewyn Davis.

Pantera Negra

O filme de super-herói da Marvel é um dos cotados à categoria principal do Oscar desde sua estreia. No entanto, deve-se lembrar que Deadpool, cotado em 2016, sequer foi indicado a melhor maquiagem. Por isso, a obra de Ryan Coogler pode até chegar ao prêmio, mas dependerá de os participantes da Academia estarem propensos a finalmente indicar um filme do gênero na categoria principal.

O retorno de Mary Poppins

Este novo filme de Rob Marshall, diretor do oscarizado Chicago, pode tanto render várias indicações, como o original de 1964, quanto ser esquecido. Tudo depende realmente de sua recepção ao final do ano – levando em conta que também se pretende um blockbuster, o que costuma causar rejeição na Academia. No papel de Mary Poppins, Emily Blunt é uma atriz cada vez mais respeitada, sobretudo depois de atuações em Sicario, Um lugar silencioso e A garota no trem.

Backseat

Estrelado por Christian Bale, quase irreconhecível como Dick Cheney, vice-presidente de George W. Bush, uma das figuras que mais se insurgiram, de maneira polêmica, no combate ao terrorismo e em divergências sobre armas de destruição no Iraque, e tendo a seu lado Amy Adams, Steve Carell, Sam Rockwell, Bill Pullman e Alison Pill, Backseat é o novo filme de Adam McKay, que alguns anos atrás concorreu com o surpreendente A grande aposta.

Outros possíveis candidatos: Tully (Jason Reitman), Ilha dos cachorros (Wes Anderson), Old man & the gun (David Lowery), Hereditário (Ari Aster), A garota na teia de aranha (Fede Alvarez), Don’t worry, he won’t get far on foot (Gus Van Sant), Bohemian Rhapsody (Dexter Fletcher), Jogador Nº1 (Steven Spielberg), First reformed (Paul Schrader), The front runner (Jason Reitman), White boy Rick (Yann Demange), On the basis of sex (Mimi Leder), Welcome to Marwen (Robert Zemeckis), Você nunca esteve realmente aqui (Lynne Ramsay), Wildlife (Paul Dano), The miseducation of Cameron Post (Desiree Akhavan), Leave no trace (Debra Granik), Blaze (Ethan Hawke), Creed 2 (Steven Caple Jr.), Suspiria (Luca Guadagnino), Todos lo saben (Asghar Farhad), Peterloo (Mike Leigh), At eternity’s gate (Julian Schnabel), The public (Emilio Estevez), The seagull (Michael Mayer), The son (Denis Villeneuve), The sisters brothers (Jacques Audiard), Missão: impossível: Efeito Fallout (Christopher McQuarrie), Animais fantásticos – Os crimes de Grindelwald (David Yates), Máquinas mortais (Christian Rivers), Life itself (Dan Fogelman), Legítimo rei (David Mackenzie), 22 july (Paul Greengrass), Can you ever forgive me? (Marielle Heller), The children act (Richard Eyre)

Post anterior
Post seguinte
Deixe um comentário

1 comentário

  1. Adriana Moraes

     /  9 de setembro de 2018

    Republicou isso em Nova Visão: Cultura & Cidadania.

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: