Z – A cidade perdida (2016)

Por André Dick

Em seu filme anterior, Era uma vez em Nova York, James Gray parecia deixar de lado a agilidade dramática que havia apresentado em Amantes, talvez seu melhor filme. Mesmo com ótimas atuações de Joaquin Phoenix e Marion Cotillard, a narrativa tinha muitos problemas. No entanto, algumas qualidades suas se mantinham: o cuidado com a reconstituição de época era uma delas. Talvez Gray seja o último cineasta norte-americano a querer recuperar certo cinema de época, inspirado sobretudo em Michael Cimino, de O portal do paraíso. Ele possui uma grande nostalgia em mostrar salões de dança e barcos em portos históricos, sendo recepcionados por milhares de pessoas.
Em Z – A cidade perdida , ele traz Percy Fawcett (Charlie Hunnam), casado com Nina (Sienna Miller), um oficial britânico que é escolhido pela Royal Geographical Society, por meio das figuras de Sir George Goldie (Ian McDiarmid) e Sir John Scott Keltie (Clive Francis), para ajudar na delimitação de terras entre Bolívia e Brasil, prestes a entrar em guerra por causa disso. Estamos em 1906. Ele recebe como companheiro de viagem Henry Costin (Robert Pattinson), que tem conhecimento da Amazônia, e Arthur Manley (Edward Ashley). Em embarcações no rio Amazonas, lembra-se imediatamente de Aguirre, mas Gray não quer emular Herzog: seu interesse é justamente mostrar a solidão desses exploradores, mesmo em sua ausência de relações, não exatamente a loucura provocada pela floresta e pelo distanciamento de tudo.

Na missão, Fawcett é informado por um dos guias de que existe uma cidade perdida com ouro na selva. Ele não leva em consideração a história, mas encontra numa peregrinação restos de cerâmica na mata, o que o leva a acreditar que haveria uma cultura mais evoluída do que imagina. Gray contrapõe esse seu interesse à ameaça que sofre ao longo da peregrinação, principalmente quando há uma chuva de flechas disparadas por tribos (e o realismo das cenas as engrandece).
Fawcett volta à Inglaterra, onde sua esposa deu à luz ao segundo filho. Na Biblioteca do Colégio da Trindade, sua esposa encontra um texto de um conquistador que fala da cidade perdida na selva – seria a mesma já relatada a ele? Ele também discursa sobre a possibilidade de realmente haver uma cultura forte no meio da selva, sendo ridicularizado. Ele volta ao Brasil para tentar encontrar essa cidade, sendo acompanhado novamente por Costin e desta vez por James Murray (Angus Macfadyen). Desta vez, ele está interessado em estabelecer um contato mais estreito com as tribos indígenas da Amazônia, mesmo sabendo do risco que corre nesse embate entre diferentes culturas.

Não há nenhuma tentativa de se vincular a Terrence Malick, de O novo mundo, por exemplo, e sim a um cinema de época mais clássico, padronizado, embora no bom sentido. Gray não está interessado em cenas de ação ou mesmo no misterioso da floresta amazônica e sim com o dilema do personagem, em estar junto à família ou perto daquilo que o move como aventureiro e explorador. O mais instigante nesse personagem é como ele necessita dos companheiros para cumprir sua tarefa de exploração, sem nunca se sentir acima. Gray o mostra como um indivíduo mesmo inseguro, apesar da tenacidade em percorrer determinado rumo contrário ao ritual da sociedade da época. Neste ponto, ele lembra bastante Lincoln, de Spielberg, uma clara referência na reconstituição de determinados cenários, assim como as luzes e figurinos nos salões remetem a Barry Lindon e Mistérios de Lisboa. Também é bastante evidente, na maneira com que Gray usa o horizonte, uma influência do subestimado No coração do mar, de Ron Howard, que trata também do instinto de sobrevivência numa situação complicada: quando os personagens, na mata, ficam sem alimento e precisam caçar animais.

Gray faz dessa história simples não uma homenagem também a Fitzcarraldo, e sim um filme de época realmente convincente, com belas atuações de Hunnam, Pattinson (no seu melhor momento desde Cosmópolis e The Rover) e Sienna Miller (que esteve este ano também no ótimo A lei da noite). Embora nenhum personagem seja realmente desenvolvido, deixando algumas questões subentendidas, todos eles se sentem verdadeiros. Hunnam, especialmente, mostra talento já explorado este ano, embora não tanto, em Rei Arthur. Baseado em livro de David Gann, Z – A cidade perdida possui uma bela fotografia do sempre competente Darius Khondji, conseguindo conciliar as cores de Londres com a da selva amazônica de modo irremediavelmente concentrado. Com uma história contada de forma devagar, procurando mais nuances do que conflitos dramáticos ressaltados, é uma obra realmente interessante na trajetória de Gray. Pode-se apontar semelhanças também com o recente O abraço da serpente, mas Gray é substancialmente mais certeiro ao escolher a maneira de retratar esses exploradores. A narrativa flui também melhor, sem uma necessidade de agradar e ser artístico demais, explorando com cuidado as nuances.

The lost city of Z, EUA, 2016 Diretor: James Gray Elenco: Charlie Hunnam, Robert Pattinson, Sienna Miller, Tom Holland, Edward Ashley, Angus Macfadyen, Ian McDiarmid, Clive Francis, Pedro Coello Roteiro: James Gray Fotografia: Darius Khondji Trilha Sonora: Christopher Spelman Duração: 111 min. Distribuidora: Imagem Filmes Estúdio: MadRiver Pictures / MICA Entertainment / Paramount Pictures / Plan B Entertainment

Anúncios
Post anterior
Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: