Pets – A vida secreta dos bichos (2016)

Por André Dick

Pets 1

Sem o selo da Pixar ou da Disney, Pets – A vida secreta dos bichos conseguiu um grande feito: com orçamento de 75 milhões, ele arrecadou até agora 674 milhões de dólares. Dirigido por Chris Renaud (dos dois Meu malvado favorito e produtor executivo de Minions) e Yarrow Cheney, sua história é bastante simples: um cão terrier, Max (Louis CK) vive feliz com sua dona, Katie (Ellie Kemper), quando ela traz para casa outro cão, Duke (Eric Stonestreet), uma espécie de Chewbacca canino, pelo tamanho. No início, ele está preocupado e quer se livrar o quanto antes de seu novo companheiro, que logo ocupa sua cama. Max tem alguns vizinhos, entre os quais o gato gordo Chloe (Lake Bell), o pug Mel (Bobby Moynihan), Buddy (Hannibal Buress), um dachshund, e um canário (Tara Strong). Além disso, há Gidget (Jenny Slate), uma spitz, que decide ir atrás de Max com a ajuda de Tiberius (Albert Brooks), um falcão ameaçador, e do experiente basset Pops (Dana Carvey) quando ele desaparece e a história adquire um ritmo ininterrupto, tendo ainda como figura um coelho excêntrico, Snowball (Kevin Hart). Este coelho deseja liderar uma revolução dos animais contra a humanidade. Nesse sentido, de brincar com os humanos e com a vida “pessoal” dos animais, o roteiro de Cinco Paul, Ken Daurio e Brian Lynch é trabalhado.

Pets 4

Pets 2

Pets 3

Se ele parece simples e as ideias adquirem um ar de sessão da tarde, Pets nunca deixa de ser interessante ao longo de sua curta-metragem (pouco mais de 80 minutos), com uma sucessão de gags, sobretudo na meia hora inicial, mostrando o comportamento dos animais quando seus donos saem (o que já aparecia no trailer irresistível do filme), assim como desenvoltura em sua ação. Recentemente, em se tratando de animais, tivemos o excelente Zootopia, a terceira parte interessantíssima de Kung-fu panda, a memorável refilmagem de Mogli – O menino lobo e também o quinto e não tão bem-sucedido A era do gelo: o Big Bang. Mais do que esses filmes, porém, o de Renaud e Cheney tem algo que se aproxima de experimentos antigos, como Aristogatas, 101 dálmatas, Bernardo e Bianca, A ratinha valente, Fievel – Um conto americano e Todos os cães merecem o céu, esses três últimos de Don Bluth, animador de grande destaque dos anos 80. Há também uma proximidade particular com o primeiro Rio, de Carlos Saldanha, que unia aves e cães pelas ruas da cidade brasileira.
O êxito do trabalho de voz, num elenco que inclui grandes astros, a começar por Louis C.K., fazendo uma boa performance como Max, e Jenny Slate (que já fez este ano a voz da vice-prefeita ovelha de Zootopia, com a mesma competência mostrada aqui), e vai até o quase esquecido Dana Carvey (de Quanto mais idiota melhor), culmina nas participações indispensáveis do engraçado Kevin Hart, como um vilão absurdo e imprevisível, e de Albert Brooks (antigo comediante, mais lembrado ultimamente por sua presença, por exemplo, como o vilão de Drive).

Pets 5

Pets 12

Pets 9

Pets apenas aparentemente é um desenho sem créditos como de grande estúdio (uma vez que a Illumination Entertainment/Universal não é tão reconhecida por animações), pois, além do trabalho de vozes, possui um trabalho de cores muito vivo e detalhes técnicos irrepreensíveis, como a trilha sonora excepcional de Alexandre Desplat, o habitual colaborador de Wes Anderson e responsável por dezenas de trilhas de qualidade nos últimos anos, apresentando uma atmosfera de Nova York, em que se passa a história, e que por vezes remete a Woody Allen.
Nem só de leveza é feito o desenho, no entanto. Snowball, o coelho, leva Max e Duck a uma visita aos esgotos da cidade, em momentos nos quais Pets se sente quase um ambiente para as marionetes de Frank Oz em O cristal encantado, com um ar verdadeiro de ameaça, mesmo que a graça prevaleça. E pode-se ficar feliz que, mesmo não sendo da Pixar ou da Disney, este desenho tenha sido bem recebido, não apenas pela qualidade como por sua homenagem a Grease – Nos tempos da brilhantina, com “We Go Together”. E se sente uma real emoção em alguns dos momentos que tratam da amizade entre os humanos e animais e entre esses, a começar por Max e Duke, tanto em relação à dona quanto a um antigo dono do segundo. Se existe um problema nessa amizade é o pouco tempo que Renaud e Cheney se dispõem a apresentá-la, levando em conta possivelmente futuras sequências (que, pela bilheteria espetacular do filme, estão garantidas). Pela voz especialmente simpática de Louis CK, Max é ótimo.

Pets 10

Pets.Filme

Pets 14

Ao mesmo tempo, há um delicado trabalho da imagem da cidade, não apenas de Nova York e Manhattan, como também de algo que remete a “Avenida Dropsie”, de Will Eisner, misturando, aqui, passado (a noite) e futurismo (o cenário diurno), utilizando muito bem a arquitetura dos prédios para dar mobilidade aos personagens e à ação, com uma certa lembrança nas imagens de Ninguém segura este bebê, comédia produzida por John Hughes nos anos 90, quando eles saltam de um prédio para o outro. Há uma real vontade de mostrar os parques, os barcos que partem para Manhattan e como os animais poderiam se inserir nesse cenário, assim como a solidão da metrópole, em que os humanos se ausentam durante o dia, para regressarem às suas casas apenas à noite – e o filme dificilmente os mostra. O engraçado justamente é que os animais parecem viver em torno deles quando possuem uma vida agitada por si própria. De maneira geral, Pets é uma animação descontraída e uma moderada surpresa, apesar de seu trailer ter sido muito efetivo para seu sucesso e reservar alguns de seus melhores momentos.

P.S.: Antes de Pets, há um curta-metragem, “Mower Minions”, de Bruno Chauffard e Glenn McCoy. Particularmente, não acrescenta muito e não apaga a decepção que já havia sido o longa-metragem deles.

Pets, EUA, 2016 Direção: Chris Renaud, Yarrow Cheney Elenco: Louis CK, Eric Stonestreet, Kevin Hart, Jenny Slate, Ellie Kemper, Albert Brooks, Lake Bell, Bobby Moynihan, Hannibal Buress, Dana Carvey, Albert Brooks, Bobby Moynihan Roteiro: Brian Lynch, Cinco Paul, Ken Daurio Trilha Sonora: Alexandre Desplat Produção: Christopher Meledandri, Janet Healy Duração: 87 min. Distribuidora: Universal Pictures Estúdio: Illumination Entertainment / Universal Pictures

Cotação 3 estrelas e meia

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: