Poltergeist – O fenômeno (2015)

Por André Dick

Poltergeist 4

Numa época em que as continuações ou refilmagens dão o tom dos lançamentos no cinema, como Mad Max e Jurassic world, o terror Poltergeist – O fenômeno parece o menos atrativo. Não apenas porque o clássico original se mantém mais pela excelência e nostalgia do que pelo conhecimento de um novo público, à medida que suas duas continuações não foram bem-sucedidas, como pelo fato de não haver uma ligação direta, nos atores e na produção, ao original. A versão de 1982 é dirigida oficialmente por Tobe Hooper, de O massacre da serra elétrica, no entanto quem costuma ser visto como seu principal realizador é Steven Spielberg, autor do roteiro e responsável pela produção. Neste remake, quem substitui Spielberg na produção é Sam Raimi, de A morte do demônio e responsável pela primeira franquia de Homem-aranha.
A história se mantém a mesma. Baseada especificamente em O iluminado e O exorcista, mostra a chegada de uma família a uma nova casa. Os pais são Eric Bowen (Sam Rockwell), à procura de um emprego, e Amy (Rosemarie DeWitt), que deseja ser escritora. Seus filhos são Griffin (Kyle Catlett), Madison (Kennedi Clements) e Kendra (Saxon Sharbino). Enquanto a irmã mais velha, Kendra, gosta de assistir a um programa de paranormalidade, apresentado por Carrigan Burke (Jared Harris, o terrível vilão do segundo Sherlock Holmes), Griffin tem receio desde quando se perdeu, certo dia no shopping, e Madison vem se comportando de maneira estranha, sobretudo quando diante de um armário. O primeiro Poltergeist (particularmente, um dos filmes mais assustadores já feitos) era excelente na modelação de uma atmosfera, com a hora inicial muito bem trabalhada. Esta refilmagem, de certo modo, apaga parte desta construção e vai direto aos sustos. No entanto, mais interessante é se exigir desenvolvimento aqui e vibrar com a perseguição ininterrupta de Mad Max pelo deserto ou com os dinossauros previsíveis de Jurassic World.

Poltergeist 11

Poltergeist 2

Poltergeist 9

É difícil, no gênero de terror e suspense, definir o que garante a qualidade: em termos de sustos, esta refilmagem é bastante convincente. O quarto de Griffin, o armário de Madison – tudo é composto de maneira crível. Talvez não fique tão clara a paranormalidade de Madison, e quando a ameaça vem da televisão. Não apenas, de qualquer modo, o novo Poltergeist se mostra um filme interessante. Se a ação parece acontecer rapidamente demais (o que não deixa de ser um mérito, num período em que se contam os minutos para que um filme termine), tudo não acontece sem um cuidado no design da casa e da fotografia excelente de Javier Aguirresarobe. Seu trabalho em Os outros e A hora do espanto (além de trabalhar com Woody Allen) confirma como consegue captar sustos na movimentação de câmera e na mudança brusca de uma cena para outra.
É certo que o diretor Gil Kenan, do desenho animado muito interessante A casa monstro, não lida bem com a recepção dos pais diante do fato de que os filhos estão sendo ameaçados por fantasmas que saem da televisão. Ou seja, a atuação de Rockwell e DeWitt não se aproximam daquelas de JoBeth Williams e Craig T. Nelson. Ainda assim, Kenan emprega uma tensão  permanente e conta com Kyle Catlett, que no ano passado fez o personagem T.S. Spivet no sensível Uma viagem extraordinária e mostra aqui novamente seu talento. Levando em conta que Poltergeist é encenado praticamente dentro da casa (há apenas uma sequência de um jantar externo), fica fácil entender por que este filme soe sintético, também no desenvolvimento dos personagens e mesmo assim efetivo. Enquanto esta refilmagem não inova muito nas situações, ela reproduz cenas do original talvez de maneira mais apertada e assustadora, sobretudo uma que envolve uma árvore e, definitivamente, aquelas que se passam num armário, remetendo quase às paisagens infernais descritas por Dante, com uma concepção visual impressionante. E há duas sequências (com o drone e a furadeira) que lidam com uma montagem bastante eficiente, conduzindo o espectador para o espaço reduzido da casa.

Poltergeist 15

Poltergeist 6

Poltergeist 14

Perdi o número de vezes que vi o original e, sabendo o que aconteceria aqui na maior parte do tempo, ainda conseguiu ser assustador. Kenan também possui um olhar muito bom para capturar o cenário dos subúrbios, que desde Meus vizinhos são um terror talvez estejam sumidos. Há uma luminosidade nas ruas que dialoga com Amor pleno, de Malick, assim como um cuidado em reproduzir, por meio da fotografia, os espíritos se manifestando pela energia elétrica. Em alguns momentos, Aguirresarobe confere um trabalho tão específico de cores no quadro que este Poltergeist se sente ainda melhor filmado do que o original no sentido técnico (independente da diferença de anos e de utilização de efeitos especiais). Há um uso muito bom da televisão e dos aparelhos para criar suspense e os cenários de fundo parecem sempre guardar uma ameaça desconhecida, embora não se compare, entre as peças recentes do gênero, a Corrente do mal. Se a filha considera que um celular é item obrigatório, seus pais pouco querem conversar com os filhos ou ouvi-los. Neste Poltergeist, todos estão atentos apenas para o movimento: o diálogo com pessoas ao redor está sensivelmente diminuído. Se a crítica no original era de Spielberg à televisão, aqui a crítica se volta contra essa dispersão – e talvez por isso o final se sinta de tão pouca intensidade.
O que parece ainda afastar esta refilmagem do filme de Tobe Hooper é sua temática de fundo: enquanto no original tínhamos dois pais com problemas de relação com os filhos, e ainda assim interessados numa convivência, parece aqui que temos apenas dois pais ligeiramente desligados das questões mais urgentes, afetados pela crise dos Estados Unidos e sendo obrigados a morar no subúrbio por falta de opção. Rockwell é um ótimo ator para compor este tipo de atitude. A descrença dele no que está acontecendo é a mesma que ele lança sobre o preço oferecido pela casa em que sua família vai morar – ele está, digamos, em outra, praticamente durante toda a história, pouco ligando para o que acontece à sua volta; no momento em que ele precisa vir à tona, Rockwell se estabelece.
Ou seja, do mesmo modo que é possível entender que os admiradores do original considerem essa refilmagem desnecessária – em muitos pontos ela é –, é possível que quem conhece ou desconhece o filme de 1982 não se sinta tão desapontado e sinta que Kenan pretendeu aqui realmente fazer um filme visualmente cuidado, mesmo que visivelmente com um acabamento diferente do anterior: este Poltergeist é um filme ágil e brusco; ainda assim, é cinema de qualidade.

Poltergeist, EUA, 2015 Diretor: Gil Kenan Elenco: Sam Rockwell, Rosemarie DeWitt, Kennedi Clements, Kyle Catlett, Saxon Sharbino, Jane Adams, Jared Harris Roteiro: David Lindsay-Abaire Fotografia: Javier Aguirresarobe Trilha Sonora: Marc Streitenfeld Produção: Nathan Kahane, Robert G. Tapert, Roy Lee, Sam Raimi Duração: 94 min. Distribuidora: Fox Film Estúdio: Fox 2000 Pictures / Ghost House Pictures / Metro-Goldwyn-Mayer (MGM) / Vertigo Entertainment

Cotação 4 estrelas

Anúncios
Post anterior
Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: