Mad Max: Estrada da fúria (2015)

Por André Dick

Mad Max 11

Lançado no final dos anos 70, Mad Max marcou época tanto pela visão de George Miller sobre o futuro quanto pelo ritmo e ação que ele imprimiu à narrativa, além de lançar ao estrelato Mel Gibson. Nas continuações, em 1981 e 1985, a ação continuava presente, com grandes momentos, principalmente no segundo. Não é surpresa, então, que Mad Max: Estrada da Fúria surja como um novo referencial de obra de ação, capaz de surpreender mesmo boa parcela da crítica. Que os seus minutos iniciais lembrem um trailer prolongado, também não parece um problema: George Miller, de fato, com um visual elaborado, baseando-se na fotografia de Freddie Francis feita para Duna, de David Lynch, emprega novamente um ritmo contínuo.
A história inicia com Max (Tom Hardy) sendo preso pelos War Boys e levado para a Joe’s Citadel como um doador universal. Ele tenta escapar, mas é novamente preso. Enquanto isso, o líder do lugar, Immortan Joe (Hugh Keays-Byrne), indica a seu povo que Imperator Furiosa (Charlize Theron), com o cabelo raspado como se fosse a Ripley de Alien 3, deve recolher uma carga de gasolina. Ela, no entanto, rapidamente muda a rota do que faria e se embrenha no deserto mais hostil, aonde ninguém costuma ir. Furiosa parece não apenas trair, como esconder o segredo: leva consigo algumas mulheres que parecem servir apenas para dar à luz a filhos, sobretudo Splendid Angharad (Rosie Huntington-Whitleley). No seu encalço, vem Nux (Nicholas Hoult, de início bastante forte), um dos War Boys, com Mad Max preso com correntes à frente do veículo (Hardy novamente escondido atrás de uma espécie de capacete). Os primeiro terço de Mad Max é simplesmente magistral, com uma perseguição extraordinária de Joe a Furiosa, e Max tendo de entrar em conflito com ela e Nux.

Mad Max 5

Mad Max 14

Mad Max 18

Há, ao mesmo tempo, uma influência visível de Indiana Jones e o templo da perdição (no designer da caveira na montanha, das cavernas e na tribo batendo tambores), Branca de Neve e o caçador (a água sendo lançada como litros de leite ao povo no filme em que Theron era a bruxa má) e de Duna, principalmente no controle que o vilão deseja ter sobre os clãs e a água (e não mais a gasolina, como na série original). Mas há ainda dois terços de filme para que ele termine, e Miller que, além de Mad Max, fez o lamentavelmente esquecido As bruxas de Eastwick, o ótimo drama O óleo de Lorenzo e produziu o primeiro Babe e dirigiu o segundo, parece ter esquecido sua sensibilidade dramática.
Os três primeiros Mad Max tinham como sustentação a presença de Mel Gibson. Mas aqui Hardy, além de ser, como se aponta, apenas o coadjuvante, apesar de Miller querer torná-lo sofisticado, por meio de uma síntese inicial e visões atormentadas, é um ator realmente limitado (e não estaria exagerando que mesmo Channing Tatum parece ter evoluído em Foxcatcher). Fazer um filme de ação em que a personagem feminina é a principal é uma das grandes saídas de Miller, mas é curioso que o diretor considera que um filme deve carregar o nome de um personagem masculino (de uma série bastante conhecida criada por ele mesmo) porque acha que apenas assim atrairá o grande público. Se teve realmente esse objetivo, ele parece inaugurar, dentro da discussão feita sobre o filme, o que se chama de feminismo antifeminista, e cair neste plano de discussão é julgar que Miller faz algo aqui algo de real importância conceitual, quando nunca se afasta dos lugares-comuns a que a figura feminina foi conduzida em boa parte da história do cinema quando se depara com um conflito: a de que só pode ser salva e conduzida por ações de guerra e, aqui, acelerar no deserto, com o mesmo fetiche previsível de perseguição de carros e explosões que costuma ser ligado à comunidade masculina. Desse modo, apesar de ótima atriz, Theron é apagada por uma série de clichês, afastando-se daquela que é sua referência principal: a Ripley de Sigourney Weaver, uma personagem muito melhor delineada.

Mad Max 16

Mad Max 15

Mad Max 3

Numa narrativa em que o melhor ator é Hoult (em seu primeiro grande papel no cinema depois de Um grande garoto, ainda criança), Mad Max tem um roteiro pedregoso como as rochas com as quais os carros do filme se deparam ao longo de uma perseguição sem fim no deserto. Ele não se sente coeso, e se no início o espectador não parece ter necessidade de conhecer detalhes sobre os personagens, quando Miller tenta interromper o fluxo de ação constante, no qual não apresenta suficientemente também os vilões, entrega apenas um material expositivo, com exceção de uma belíssima sequência noturna em que Miller tenta desencavar uma homenagem a O comboio do medo, de Friedkin.
As ações dos personagens acabam sendo muito vagas diante da grandiosidade que Miller entrega na parte técnica. Neste sentido, a ação não influi no plano emocional, pois não há aqui personagens com que se preocupar. Tudo é desenvolvido, nos 80 minutos finais, de maneira que parece um anticlímax – diante do início – estendido. Ou seja, Miller não conseguirá superar os momentos iniciais e, como também não possui uma história a entregar, Mad Max se sente incompleto. Há algumas one-liners sobre esperança, encaixadas por Miller na tentativa de fazer com que esses personagens não soem opacos, mas elas se sentem deslocadas quando não há uma estrutura.
O interessante é como os problemas de um filme como Mad Max são deixados de lado, ao contrário do que aconteceu com a terceira parte de O hobbit, considerado por alguns, injustamente, uma fantasia de RPG. Diante da narrativa apresentada por Miller, não há uma negativa sequer sobre sua história sem direcionamento, enquanto se diz que Jackson, no filme que fecha a sua trilogia, teria se entregue apenas a uma batalha. No entanto, Jackson, com sua fantasia menosprezada por alguns, é um designer na construção de personagens e não meramente um criador visualmente potente. O mesmo pode-se dizer de Cristopher Nolan, que, fazendo ou não blockbusters de ação, procura modular seus personagens.

Mad Max 12

Mad Max 23

Mad Max 6

Se Miller parece tornar o difícil em algo fácil de ser assistido, seus recursos se esgotam rapidamente, como filmar homens pendurados em varas pulando de um caminhão para outro, ou motos voando por cima de caminhões ou descendo encostas imensas, não exatamente como um recurso narrativo, mas como algo incrível, inclusive de ser feito: no momento em que se vê essas cenas, parece haver a ilusão de um filme extraordinário, pela dificuldade na filmagem – e, não se deve enganar, há muito CGI disfarçado aqui. Essas são características de filmes como O exterminador do futuro 2, de James Cameron, que marcou época nos anos 90 e, mesmo com toda sua grandiosidade, não consegue em nenhum momento superar o primeiro filme da série, com seu visual de futuro realizado com maquetes precárias. Desse modo, fazer uma ode elogiosa apenas à parte técnica de Mad Max é ignorar de maneira máxima o que sustenta o cinema. Nisso tudo, por outro lado, não se deve esquecer que este Mad Max tenha um trabalho primoroso no uso de cores, no qual o azul do céu contrasta com o laranja ou amarelo do deserto e as explosões em vermelho dialogam com o cabelo de uma das mulheres que fogem, assim como há rimas visuais entre o azul do dia e o da noite em razão da fotografia de John Seale (habitual colaborador de Miller, Peter Weir e Anthony Minghella, tendo ganho o Oscar por O paciente inglês).
É uma pena que Miller não construa tudo em acordo com algo que poderia expandir a mitologia de Furiosa e de Max: os personagens sentem-se como artifícios de uma mensagem em que mesmo Miller não parece acreditar. Em nenhum momento, há qualquer conflito existencial realmente autêntico e as figuras não se afastam de rótulos, bastante consideráveis há trinta anos atrás, quando o primeiro Mad Max saiu. Há, nela, uma busca apenas de contentar o grande público, e ocasionalmente influenciar nas bilheterias. E, ao não expor já no título, que Imperator Furiosa é a grande personagem Miller perde a oportunidade de fazer aquilo que imagina por meio das cenas de ação: inovar. Miller, na verdade, por mais que não pareça, nunca saiu de 1979. Isso é realmente se afastar totalmente de Mad Max original: uma série despretensiosa, divertida, mas ainda assim permanente. Neste sentido, se este Mad Max é o filme de ação do futuro, talvez o melhor seja apenas olhar pelo retrovisor.

Mad Max: fury road, AUS/EUA, 2015 Diretor: George Miller Elenco: Tom Hardy, Charlize Theron, Nicholas Hoult, Rosie Huntington-Whiteley, Zoë Kravitz, Riley Keough, Nathan Jones, Hugh Keays-Byrne Roteiro: Brendan McCarthy, George Miller, Nick Lathouris Fotografia: John Seale Trilha Sonora: Junkie XL Produção: Doug Mitchell, George Miller, P. J. Voeten Duração: 120 min. Distribuidora: Warner Bros. Estúdio: Kennedy Miller Productions / Village Roadshow Pictures

Cotação 2 estrelas e meia

 

Anúncios
Deixe um comentário

16 Comentários

  1. aindaestou vendo Hoje esse filme Online! vejo sem grandes expectativas! gostei muito desse Cine!! vida longa e muito sucesso nesse seu projeto!!

    Responder
    • André Dick

       /  16 de junho de 2015

      Prezado Marcos,

      agradeço por seu comentário generoso a respeito do blog! Quanto ao filme, eu vi com grande expectativa, mas não correspondeu.

      Volte sempre!

      Um abraço,
      André

      Responder
  2. Caramba! O Max só teve 3 ou 4 frases no filme todo. Na verdade a protagonista foi a Furiosa, ela é a alma do filme e o Max apenas um coadjuvante. Saudades do Mel Gibson! 3 ovos e muito até…

    Responder
    • André Dick

       /  25 de junho de 2015

      Prezado Leandro,

      Parece que o personagem de Max realmente não se encaixa na história e foi trazido de volta apenas para chamar público nas bilheterias. Mesmo com problemas, Mel Gibson é um ator melhor do que Hardy, embora se possa dizer que este se integre bem à paisagem desértica do filme.

      Um abraço,
      André

      Responder
  3. Paulo Ricardo

     /  5 de agosto de 2015

    Para quem já assistiu os primeiros filmes da série, sabe que os filmes não são muito falados. Isso é algo que eu admiro em filmes que fazem isso e é muito básico em termos de linguagem cinematográfica, porque nao precisa se falar muito sobre o que está sendo assistido. As imagens falam por si. Nao é preciso q um personagem fale algo para explicar o que está acontecendo na tela. Assisti o filme recentemente e achei ótimo, mas nao apenas pela primazia das cenas de acao, mas pelo fato de que o filme segue o que foi estabelecido nos primeiros filmes, cria de fato uma sensacao de que as personagens nao tem escolha e estao perdidas, o que ajuda a manter o roteiro coeso e me fez pensar o tempo todo “como eles vao sair dessa agora?”. Eu tenho evitado filmes de acao recentemente, porque todos apresentam sempre a mesma formula e a mesma execucao. Esse Mad Max me supreendeu. É de fato o que todos dizem, louco, insano, irreal, frenético. E isso é bom.

    Responder
    • André Dick

       /  5 de agosto de 2015

      Um filme não precisa ter uma sequência de diálogos para ter dramaticidade e pode falar muito por imagens. Há vários exemplos disso, mas este Mad Max não me parece ser um deles e, neste sentido, não se aproxima da qualidade da trilogia inicial, inclusive do episódio menosprezado com Tina Turner. É de se lamentar que, por trás da aparente revolução, e da bela fotografia de Seale (que não o salva), este filme se contente em ser pretensamente “insano” com um grande clímax estendido e uma lição de moral endurecida e previsível, nos 20 minutos em que se permite “estacionar” para tentar dizer que não pretende apenas entregar fúria sobre rodas. A narrativa quase não para e os personagens pouco falam porque efetivamente tem pouquíssimo a dizer. Mas como não estar dentro da coletividade em que “todos” dizem que ele é bom e na qual quem diz o contrário não entendeu o hermetismo das imagens e a “profundidade” implícita da obra-prima incontestável de George Miller? Há filmes de ação mais óbvios visualmente muito melhores do que este Mad Max porque não escondem, por trás da aparente insanidade, o mesmo clichê de entregar um cinema acelerado de duas horas, quando em termos de qualidade não sai da primeira marcha. Quase tudo neste Mad Max é pose, sem nenhum sinal de humanidade verdadeira existente na trilogia inicial.

      Responder
      • ”Mas como não estar dentro da coletividade em que “todos” dizem que ele é bom e na qual quem diz o contrário não entendeu o hermetismo das imagens e a “profundidade” implícita da obra-prima incontestável de George Miller?”
        Engraçado,que eu vi sua crítica de Interestelar e poderia dizer o mesmo,pois meu desprezo por Interestelar é tão grande quanto o seu por Mad Max Fury Road.

      • André Dick

         /  7 de fevereiro de 2016

        A questão é que Interestelar passa longe de ser um consenso como Mad Max, principalmente de crítica, e não foi indicado, como merecia, aos Oscars de melhor filme e diretor. E não tenho desprezo por Mad Max, no qual vejo qualidades expostas na crítica acima. Tenho, sim, aversão a quem, como o leitor acima, para quem respondi essas palavras que você utiliza em sua mensagem, acha que há uma coletividade que deve reconhecer algo como obra-prima, excluindo opiniões contrárias. Apenas declarando minha admiração pela obra de Nolan mais uma vez, já que você procurou essa crítica para se contrapor, Interestelar tem uma profusão temática e sensível completamente inexistente na obra de Miller.

      • Eu não acho mesmo que ele (Interestelar) merecia um oscar pra melhor filme,um roteiro que te prende pela curiosidade na primeira metade,e visivelmente te dá resoluções simples e diálogos entediantes,com um final podre e forçadissimo,onde tudo que ele constroi no começo é jogado fora.O plano do professor é falho,a Anne Hataway é incrivelmente insuportavel,e o personagem do Matt Damon é ridiculo de tão idiota.Considero um filme completamente Overrated,que disfarça o seu roteiro falho com um visual monstruosamente perfeito.

      • André Dick

         /  8 de fevereiro de 2016

        Eu imaginei, pela sua mensagem, que estava tratando de Mad Max, cuja primeira parte é ótima e entrega depois uma resolução simplista e com diálogos forçados. No entanto, você esqueceu do filme para falar mal de Interestelar: eu diria que começar a compará-los levaria certamente a algum buraco de minhoca. Comparar os personagens de Interestelar com os de Hardy e Theron e as atuações… Damon, Hathaway, McConaughey, Caine, todos excelentes, bem, eu não usaria seu termo “podre”, nas isso certamente não cheira muito bem. Se considera superestimado, faça como eu em relação a Mad Max: não o assista mais. O que eu diria é que Interestelar não tem apenas um visual perfeito: ele tem um núcleo emocional, algo que o filme de Miller não possui.

      • Eu não quis comparar,só aproveitei a situação para falar minha opinião em relação ao filme. Eu passo longe,mas o fanatismo ao Nolan e esse filme,me doem na guela. As critícas são boas,é sempre bom encontrar uma opinião contrária relevante. Segue o bom trabalho ae man!

      • André Dick

         /  10 de fevereiro de 2016

        Não sou especial admirador de Nolan (apesar de gostar da trilogia de Batman), mas Interestelar acho realmente de uma beleza ímpar. Só espero que meus elogios ao filmes não soem fanáticos. Obrigado também pela opinião discordante e pelas palavras sobre o blog, man!

  4. Diego Costa

     /  2 de setembro de 2015

    Demorei mas achei uma crítica lúcida sobre esse filme, marketing pesado, me empolguei e me decepcionei, sinceramente deixou muito a desejar em termos de enredo e sem contar inúmeras incoerências.

    Responder
    • André Dick

       /  3 de setembro de 2015

      Prezado Diego,

      agradeço por seu comentário sobre a crítica. O marketing deste filme foi, na falta de palavra melhor, insano. Para esconder, assim como é a sua impressão, o enredo inexistente e a falta completa de ligação entre as perseguições e o discurso. Fico feliz que pelo menos não usaram demais o termo “distópico” para descrever o monumento à cinematografia de Miller.

      Obrigado pela visita e volte sempre!

      Um abraço,
      André

      Responder
  5. fredmorsan

     /  18 de janeiro de 2016

    Para um filme fraco, ele tem aparecido bem em várias premiações renomadas do meio cinematográfico…

    Responder
    • André Dick

       /  18 de janeiro de 2016

      Se for pelas premiações, Creed, Youth e Os oito odiados são mais fracos do que o superestimado Mad Max; pessoalmente, esses filmes superam o de Miller, tanto nas atuações quanto em direção e roteiro.

      Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: