Livre (2014)

Por André Dick

Livre 4

No ano passado, o diretor canadense Jean-Marc Vallée teve grande sucesso com seu filme Clube de compras Dallas, bem aceito pelo público e pela Academia de Hollywood, recebendo três Oscars, inclusive os de ator (McConaughey) e ator coadjuvante (Jared Leto). Em Livre, ele mostra as memórias de Cheryl Strayed, interpretada por Reese Whiterspoon, que decide sair em viagem pelos Estados Unidos, passando por paisagens desertas, estradas sem nenhum movimento, estabelecimentos quase abandonados: essa viagem era feita pelos beatniks nos anos 60, sobretudo partindo de San Francisco, mas Cheryl está mais interessada em rever e refletir sua vida até então.
Whiterspoon havia desaparecido das premiações desde o excelente Johnny & June, pelo qual havia ganho o Oscar de melhor atriz. Depois de sua imagem ter ficado colada a Legalmente loira, ela foi perdendo a referência de atriz indie, conquistada com muito esforço no curioso A vida em preto e branco, no ótimo Eleição e na vingança pop baseada em Ligações perigosas, Segundas intenções. Aqui ela tenta, como nos recentes Amor bandido e Sem evidências, uma espécie de regresso àquela época em que era um rosto do cinema independente, fazendo um papel muito mais físico e talvez mais difícil. Ainda assim, algo de sua empatia – que seria essencial para Livre – acabou se perdendo; ela parece de fato uma atriz que não consegue transpor para as telas o drama existencial do papel.

Livre 6

Livre 14

Livre 16

Desde o início, com a personagem caindo na estrada, o filme tem uma atmosfera que remete a uma das obras mais melancólicas deste século, Na natureza selvagem, de Sean Penn. No entanto, logo se percebe que a obra de Vallée não procura exatamente o mesmo que a de Penn: Cheryl não está em viagem para exatamente fugir dos preceitos e exigências sociais; ela viaja para esquecer seu próprio passado, em que há um risco moral permanente por causa de suas escolhas. Vallée vai introjetando, a cada sequência de Livre, flashbacks da vida anterior de Cheryl. Esta escolha, sendo consciente, pois costura toda a narrativa, parece ser o que atrai o interesse para o material adaptado pelo escritor Nick Hornby das memórias de Cheryl. Como os escritos de Hornby, a personagem terá contato com poemas de Emily Dickinson e outras leituras. Mas Cheryl é uma personagem, mais do que o de Chris McCandless, em Na natureza selvagem, permanentemente solitária – e o espectador, convidado a participar de sua viagem, em nenhum momento parece se sentir próximo a ela.
Livre é uma espécie de filme-conceito em que a liberdade é representada por ficar presa a lembranças permanentes, que perseguem a personagem principal de maneira contínua, não havendo respiros para o espectador. Nesse sentido, o diretor adota uma montagem arriscada: enquanto acompanhamos a viagem de Cheryl, na verdade pouco interessa nela, pois tudo se concentra em flashes do passado. Com isso, o filme, numa espécie de montanha-russa da montagem, vai e vem no tempo sem nunca estar exatamente em algum lugar – e, apesar de Vallée imaginar que isso traria originalidade, acaba por arrastá-lo a um beco sem saída. Ou seja, as paisagens imensas e o ar livre, a atmosfera de liberdade, de contato com os animais e a natureza, representa, na verdade, uma imersão no que a personagem considera sua melancolia: a vida familiar e o apego à mãe (Laura Dern, uma excelente atriz prejudicada pela montagem e incluída no Oscar desta vez de modo injusto, quando havia Jessica Chastain em O ano mais violento). Tudo o que significa sua liberdade desse contexto remete a livros lidos à luz de velas, e é para isso que serve a literatura, afinal, segundo Hornby e Vallée: para que o contato com a natureza se materialize numa estética.

Livre 11

Livre 12

Livre 15

Desse modo, Livre acaba sendo quase todo uma viagem de estética: de estética para vermos as paisagens fotografadas quanto para acompanharmos o esforço físico da personagem. Mas nunca estamos de fato com os pensamentos nela; há algo nesses pensamentos um tanto desgovernados e um incapazes de prender a atenção do espectador, levado a navegar entre vários até que todos desapareçam finalmente. Livre acaba trazendo um cansaço que, longe de ser o mesmo da viagem que retrata, é desanimador de algum modo, pois entende-se que a personagem está em permanente infelicidade sem sabermos exatamente o que a levou a tal condição, até que vamos montando as peças. Essas se mostram, enfim, bastante previsíveis, como se Vallée quisesse deixar sofisticado um drama, apesar de comovente, bastante simples – e esta simplicidade faria bem à narrativa. Ou seja, parece um filme que foi definido na sala de montagem, e o diretor quis fazer algo diferente (além de extremamente longo). Além disso, a personagem, de fato, quer conviver com sua solidão, e o espectador, ao acompanhá-la, parece na verdade importuná-la. Os únicos momentos em que o espectador se sente mais próximo é quando Cheryl se interessa em conversar com seres humanos, pois é justamente esses que a levam nessa jornada. No entanto, como ela constantemente presa ao passado e às ausências que ele proporciona, é como se não nos interessássemos também pelo presente que ela vivencia. Para Hornby, assim, a natureza não traria nenhuma saída, e com isso o sentimento é de dupla tristeza, pela personagem e pela narrativa. No entanto, Livre é, acima de tudo, um filme que depende muito da simpatia que o espectador tem pela personagem: Witherspoon, apesar de tentar um papel difícil, particularmente, não parece a escolha adequada. Era preciso uma atriz que trouxesse mais dor real ao personagem e uma mistura de sensações. A única sensação é de que o espectador não se sente livre ao vê-la se perder nessas paisagens, ou seja, nos últimos anos, Whiterspoon, exceto em Sem evidências e no recente Vício inerente, pelo qual, este sim, poderia ter sido lembrada pelo Oscar, não consegue passar uma variedade de conflitos. O olhar dela é sempre o mesmo do início, e nisso Vallée acaba perdendo boa parte de sua história.

Wild, EUA, 2014 Diretor: Jean-Marc Vallée Elenco: Reese Witherspoon, Michael Huisman, Gaby Hoffmann, Laura Dern, Thomas Sadoski, Kevin Rankin, Brian Van Holt, Charles Baker, W. Earl Brown, Cliff De Young Roteiro: Cheryl Strayed, Nick Hornby Fotografia: Yves Bélanger Produção: Bruna Papandrea, Reese Witherspoon Duração: 116 min. Distribuidora: Fox filmes Estúdio: Fox Searchlight Pictures

Cotação 2 estrelas

 

Anúncios
Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: