O grande búfalo branco (1977)

Por André Dick

O grande búfalo branco 22

Baseado num livro de Richard Sale, também responsável pela adaptação para o cinema, O grande búfalo branco parecia dialogar com outro filme lançado no mesmo ano, e também produzido por Dino De Laurentiis, Orca. No entanto, ao contrário de Orca, por si só um derivado de Tubarão, havia neste filme com Charles Bronson, em meio aos intervalos da série Desejo de matar, algo mais sugestivo, uma espécie de mistura entre gêneros e, dentro de sua história a princípio objetiva, um elemento mais semelhante a filmes de caráter psicológico. Assim como Tubarão, este filme guarda uma aproximação do enfrentamento que o homem faz com uma força que foge ao seu controle e surge da natureza, estando sempre à espreita. No entanto, ao contrário de King Kong, a produção exitosa de De Laurentiis, do ano anterior, O grande búfalo branco teve dificuldades de se pagar nas bilheterias.
Charles Bronson faz Bill Hickok, aqui atendendo pelo nome de James Otis, que pretende caçar o búfalo branco capaz de perturbar seus sonhos e é uma espécie de criatura fantástica que vive no alto das montanhas. Depois de passar por Cheyenne (Wyoming), Fetterman, ele chega a Deadwood, Dakota do Sul, em 1874, época do Velho Oeste, onde encontra a ajuda de Charlie Zane (Jack Warden) para a busca, não sem antes rever Mrs. Poker Jenny Schermerhorn (Kim Novak), uma antiga paixão, e ir a um saloon, em que precisa se desvencilhar de um determinado encontro. Na peregrinação em busca do animal ameaçador, em direção às Black Hills, tomadas por indígenas, ele se depara com Worm, um codinome do índio Crazy Horse (Will Sampson, logo depois de Um estranho no ninho), o qual pretende cumprir uma vingança devido ao que o búfalo fez com sua tribo. A ambientação certamente é a maior do qualidade do filme, alternando o calor do velho oeste com montanhas cobertas de gelo, sugerindo um western mais soturno e com elementos propositadamente artificiais, adentrando num universo onírico. Mas basta estar no Velho Oeste e ter pesadelos com um búfalo monstruoso e está justificado por que Hickock acorda dando tiros contra o teto. E os óculos escuros que usa durante o filme não escondem o real receio dele. Todos os homens com que se depara ou enfrenta, a exemplo de  Tom Custer (Ed Lauter) e Jack Kileen (Clint Walker) são apenas empecilhos do grande momento.

O grande búfalo branco 2

O grande búfalo branco 23

O grande búfalo branco 20

Desde o seu início, num trem, quando Hickok tem um de seus pesadelos, o filme de Jack Lee Thompson consegue criar uma história no mínimo instigante auxiliada pela bela direção de arte de Tambi Larsen e James L. Berkey. O trabalho desta dupla se estende a cidades do Velho Oeste bastante parecidas com a de outro trabalho dela, anos depois, em O portal do paraíso, com locações também no Wyoming. Por isso, em determinados aspectos, mesmo porque foi distribuído pela mesma United Artists do filme de Cimino (que levou a companhia a fechar as portas), O grande búfalo branco serve também como um exemplo, em tamanho mais modesto, certamente, de experimentos feitos mais adiante, É esta fidelidade a uma tentativa de realizar cenários reais com outros fantasiosos que torna O grande búfalo branco interessante, logo depois de seu tema incomum – de perseguição a uma espécie de criatura que habita os sonhos e se move como se fosse um fantasma por trás de árvores ou rochas de uma enorme montanha. Essa sensação de espectro se reproduz materialmente por meio do gelo das montanhas: poucos faroestes incorporam esse cenário, mas O grande búfalo branco, nesse sentido, lembra um pouco aquele panorama oferecido por Robert Altman em Quando os homens são homens: o calor, aos poucos, se converte em frieza. O espectro também é produzido por meio dos sons que o búfalo faz, uma mistura entre King Kong e Godzilla, sempre acompanhados por uma bela trilha sonora de John Barry. Trata-se de uma criatura esboçada por Carlo Rambaldi (King Kong, Duna, E.T.) e, apesar das restrições evidentes nos efeitos especiais da época, para dar movimento a esta ameaça, é uma criação engenhosa e nos momentos-chave convincente. E pode-se perceber a mão de De Laurentiis nos efeitos especiais e na própria composição do filme – mais ao final, uma cena em que a câmera se posiciona em frente a uma montanha de gelo é graficamente semelhante a uma de Duna, de Lynch, sete anos depois. Há um padrão evidente nos filmes de De Laurentiis que é reunir uma estranheza técnica para momentos que o cinema não evidenciava com tanta ênfase como hoje, em razão da tecnologia: havia uma tentativa clara de destacar a fantasia em meio a resquícios de materialidade.

O grande búfalo branco 15

O grande búfalo branco 14

O grande búfalo branco 12

Embora haja a participação especial de Kim Novak, o que mais se destaca, em meio a essa ambientação, são algumas cenas bem cuidadas de duelos (tanto num bar quanto no alto das montanhas), auxiliadas pela fotografia trabalhada de Paul Lohmann (Nashville), em que uma pilha de ossos de búfalos faz parte de um cenário em que os brancos e os índios estão em conflito – mas, para Hincock, não totalmente. Vejamos o diálogo entre ele e Crazy Horse quando se encontram pela primeira vez, depois de tiroteios cruzados. Se Bill acorda de seus sonhos pronto para um enfrentamento, o búfalo sempre remete ao trem no qual o faz chegar a este ponto – e do qual precisa se livrar também. Mas há, nesse conflito entre a realidade e o sonho em que vive Hickcok, a própria manifestação de Crazy Horse e sua vingança. É como se ele, significando o homem branco, fosse levado a uma dívida com os povos indígenas por meio de um plano onírico – e o fato de ele passar, em determinado momento, por essa pilha de ossos, remetendo a tragédias da humanidade, é também uma compreensão de que ele não pretende ingressar na chacina que os Estados Unidos impuseram às suas tribos em determinada época. O búfalo é caçado por ser um dos últimos da espécie, e sua morte significa também a tentativa de a tribo de Crazy Horse poder suportar a perda.  Por isso, apesar do humor nos diálogos entre Hickok e Crazy Horse, não temos uma fuga aos temas que habitam O grande búfalo branco. E, de modo abrangente, embora o filme possua falhas de estrutura e alguns diálogos não dão a movimentação necessária à história, a atmosfera que cria retribui as lacunas existentes e nos dá uma reconciliação não apenas no plano da humanidade mas também com uma peça cinematográfica a ser redescoberta.

White buffalo, EUA, 1977 Diretor: J. Lee Thompson Elenco: Charles Bronson, Jack Warden, Will Sampson, Kim Novak, Ed Lauter, Clint Walker Roteiro: Richard Sale Fotografia: Paul Lohmann Trilha Sonora: John Barry Produção: Dino De Laurentiis Duração: 97 min. Distribuidora: United Artists

Cotação 3 estrelas e meia

Anúncios
Post seguinte
Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: