Popeye (1980)

Por André Dick

??????

Cercado de problemas durante a produção, Popeye, revisto hoje em dia, já com a distância demarcando suas qualidades e defeitos, mostra que poderia, antes de mais nada, haver uma transposição cuidadosa das histórias do marinheiro para o cinema. O roteiro de Jules Feiffer, baseado nos quadrinhos de E. C. Segar, é correto, simples, na medida certa, mas sem nunca cair no excessivamente infantil e o elenco, excepcional, com destaque para Robin Williams, em seu segundo filme, ainda sem os maneirismos característicos e fazendo Popeye com talento, com a direção de Robert Altman. Fazer esta adaptação era uma tarefa bem ao gosto do diretor, que nunca apreciou repetir fórmulas. Ele havia feito cinco anos antes Nashville, considerado sua obra-prima, e acabaria, por causa desse filme, injustamente, tendo sua carreira quase apagada na década de 80, voltando apenas com força em O jogador e Short Cuts no início dos anos 90. Somado a isso, Popeye ficaria marcado com uma obra falha dos estúdios Disney, apesar de ter tido uma boa bilheteria, mas como uma das obras menos consideradas de Altman. Trata-se de uma injustiça.
Depois de mostrar o personagem em desenho animado, dizendo que está no filme errado, mostra sua chegada, em versão humana, a Sweethaven, uma pequena cidade portuária, à procura de seu pai. Ali, conhece Olívia Palito (a brilhante Shelley Duvall, no mesmo ano em que fez O iluminado, com outras características, e que já havia feito Nashville; Altman brigou com os produtores para tê-la no papel), adota o bebê Gugu (Wesley Ivan Hurt, neto de Altman) e vira inimigo do temido Brutus (Paul Smith, o mais parecido com o personagem dos desenhos). As canções são apenas para deixar o filme mais simpático – ele não chega a ser, pelas características, um musical completo – e o clima é de desenho animado, até com alguns sons característicos nas cenas de briga, entre Popeye e os homens de um bar e com um lutador que chega à cidade, acompanhado de sua mãe (Linda Hunt), mas sem nunca cair no previsível. Pelo contrário, desde o início, quando Popeye se hospeda na casa da família de Olívia Palito, defendida pela comunidade por causa de Brutus querer casar com ela – e o ingresso dele na casa, junto aos convidados, é antológico –, o personagem é um solitário, e Williams consegue, em momentos demarcados, mostrar sua insegurança e tristeza por ter sido abandonado pelo pai ainda pequeno (antevendo o talento que mostraria em obras como Bom dia, Vietnã e Sociedade dos poetas mortos), quando chega à festa de Olívia Palito, sem ser cumprimentado, refugiando-se na beira do porto.

Popeye 6

MCDPOPE EC009

Ele é recebido como realmente um forasteiro, com desprezo por estar no lugar, e perseguido por um fiscal (Donald Moffat), que cobra multas por cada pergunta e anda numa bicicleta com a bandeira norte-americana. Trata-se não apenas uma referência à depressão dos Estados Unidos – o filme se baseia mais nas tiras de quadrinhos dos anos 30 do que os desenhos posteriores de Max Fleischer –, mas aos efeitos da Segunda Guerra Mundial, e Sweethaven aparenta parece estar alheia a isso. Brutus, que manda no fiscal, segue as ordens de um comodoro misterioso, o qual ninguém vê e que coloca ordem no lugar. Dudu (Paul Dooley), que come continuamente hamburgueres, ao ver que o nenê deixado para Popeye numa cena – com a promessa da mãe vir buscá-lo depois de pagar todas suas dívidas, em 25 anos – pode fazê-lo acertar em corridas de cavalos de brinquedo, porque teria uma espécie de “paranormalidade” (numa tirada episódica do roteiro), decide sequestrá-lo. Com os ganhos na casa de jogos, em que vigora também um bordel, avisa que poderá comer hamburgueres por um longo tempo. Quando Popeye acaba jogando o fiscal na água, a cidade se reúne para erguê-lo como um libertador da opressão, mas ele, na verdade, continua querendo reencontrar apenas o pai.
O seu romance com Olívia Palito se desenrola de maneira quase ingênua, desde o flerte quando chega à casa dela, e tem suas malas jogadas para fora da cama, até o momento em que ela canta a bela “He Needs Me” (que Paul Thomas Anderson reproduziria com Adam Sandler e Emily Watson em Embriagado de amor; Anderson era, sabe-se, um seguidor de Altman, a julgar também por seu Magnólia).

Popeye.Robin Williams

Popeye.Filme.Robert Altman

Altman sempre foi muito vivo ao situar os personagens em cenários reais. A cidade de Sweethaven é fantasiosa, mas Altman a construiu cuidadosamente na ilha de Malta, e ela existe hoje, conhecida como Vila Popeye, com um fabuloso desenho de produção de Wolf Kroeger (O último dos moicanos, O feitiço de Áquila). Há, nela, um aspecto teatral minucioso, e os personagens se movimentam como se estivessem num palco representando, assim como reproduzindo os movimentos das histórias em quadrinhos e do desenho animado. No momento, por exemplo, em que Popeye carrega as malas de Olívia Palito e ambos não sabem ao certo para onde ir a presença dos quadrinhos é evidente. E algumas brigas são evidentemente circenses, como aquela que envolve Castor Palito (Donovan Scott), assim como o comportamento de alguns moradores da ilha.
No entanto, Altman está mais interessado no que se passa nas entrelinhas do seu filme do que na própria adaptação do personagem antológico, assim como fez em seus mais notáveis filmes. Ainda assim, em momento algum, desconfiamos que os atores não se parecem extremamente com seus desenhos de origem – suas ações são, por outro lado, mais humanas. Altman consegue dar um sentido exato e criativo às saídas que o roteiro oferece, embora a última meia hora passe apressadamente (a produção teve problemas de financiamento), mas sem esconder a belíssima fotografia de Giuseppe Rotunno, colaborador habitual de Fellini, transformando Popeye numa peça a ser redescoberta e uma referência de seu tempo.

Popeye, EUA, 1980 Diretor: Robert Altman Elenco: Robin Williams, Shelley Duvall, Ray Walston, Paul Smith, Paul Dooley, Donovan Scott, Wesley Ivan Hurt Produção: Robert Evans Fotografia: Giuseppe Rotunno Trilha Sonora: Harry Nilson e Tom Pierson Distribuidora: Walt Disney e Paramount Pictures Duração: 92 min.

Cotação 4 estrelas

Anúncios
Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: