Django livre (2012)

Por André Dick

DJANGO UNCHAINED

A Guerra Civil norte-americana teve início em 1861 e tinha como centro o tema da escravidão, o que é tratado por Steven Spielberg em seu Lincoln. Em Cloud Atlas, também há uma ligação entre um advogado e um escravo relacionada a este momento histórico. Por sua vez, o novo filme de Quentin Tarantino, Django livre, se passa em 1858 e tem como intuito apresentar uma história fictícia que poderia ter acontecido, mas aos moldes do diretor de Pulp Fiction. Ou seja, não se deve esperar um retrato histórico acabado, embora em nenhum momento não seja sério, no novo filme de Tarantino, e sim o seu estilo calibrado, em doses de ironia e violência cada vez maiores, desde a escolha do elenco (alguns atores em papéis imprevisíveis, como DiCaprio) até as referências contundentes à escravidão. Aqui, neste particular, o filme de Tarantino não é complacente em nenhum momento e mostra uma violência crua. Talvez – e isto é considerável – se trate do seu filme mais violento, mais ainda do que Kill Bill: Vol. 1, principalmente porque aqui as cenas não representam uma homenagem ao cinema de artes marciais, mas a um período que deixou manchas históricas incontornáveis. E, ao mesmo tempo, Django livre é um faroeste baseado sobretudo nos filmes de Sergio Corbucci, sem, no entanto, deixar de remeter a outras produções, com uma trilha evidentemente eclética e um manancial de diálogos que dificilmente vemos em outros filmes que não tenham a assinatura do diretor (se ele é um imitador, seria interessante ver aqueles trabalhos dos quais teria copiado).
A história, no entanto, é bastante simples. O dr. King Schultz (Cristoph Waltz) viaja numa carroça com um dente pendurado ao alto, dizendo-se dentista. Ele procura um escravo, Django (Jamie Foxx, com menos chance para mostrar seu talento e ainda assim eficiente), o qual pretende negociar, a fim de que seja ajudado a apanhar um trio de bandidos, os Brittles. Surgindo por trás de árvores, numa noite escura, o encontro lembra alguns momentos de Bravura indômita, com a diferença de que o humor corrosivo se adianta aos fatos. Em seguida, Schultz segue com Django para uma cidadezinha, onde terão uma conversa sintética – e divertidíssima – com autoridades locais e depois para a fazenda de Big Daddy (Don Johnson, quase irreconhecível), que precisa ensinar às suas escravas como tratar Django. A diferença básica, para este, é que Dr. King quer colocá-lo como um caçador de recompensas, pretendendo que façam uma parceria – se ela der certo, Django estará livre (“Sinto-me mal ao querer me aproveitar da escravidão”, diz ele, para incredulidade do personagem central).

Django livre.Filme

Alemão, com um certo comportamento excêntrico e aristocrático, o Dr. King se interessa em ajudar Django sobretudo quando este conta que tinha uma esposa, Broomhilda von Shaft (a excelente Kerry Washington), da qual foi separado e deseja reencontrar (há cenas do passado entre os dois que remetem aos flashbacks de Kill Bill). Schultz se admira com a possível criação de Broomhilda por uma família alemã. Torna-se um tanto curioso ver Waltz, que interpretou o sádico nazista de Bastardos inglórios, Hans Landa, assustado com o tratamento dado aos escravos (por simples memória do outro filme, como se criasse um diálogo). Mas sua frieza diante das pessoas a serem mortas, para se obter a recompensa, não é nada diante da alegria demonstrada numa visita à fazenda de um plantador de algodão, em que Tarantino destila alguns flashbacks e um inusitado sangue sobre o algodão local (um detalhe curioso é que as cenas externas parecem sempre não dialogar com as cenas internas. Não se trata exatamente do que acontece em Kill Bill; mesmo em cada um dos episódios, com suas misturas, havia uma identidade visual, contrastando diferentes partes. Aqui se alternam as cores, como o próprio humor dos personagens.)
Mostrando até mesmo os precursores de uma desarrumada e incipiente Ku Klux Klan (tendo entre seus integrantes Jonah Hill), o tiroteio de Tarantino, acompanhado de notórias explosões, prossegue em grande estilo, embora aqui pareça haver uma espécie de quebra para uma sequência de imagens que se encadeiam rapidamente, como se houvesse uma edição brusca na história (desperdiçando algumas imagens de montanhas geladas, que remetem ao faroeste que teria inspirado Tarantino em Bastardos inglórios, O portal do paraíso, sobretudo quando Schultz e Django andam de cavalo à beira de um lago, em cuja superfície o céu reflete, assim como naquele filme James Averill e Ella), mesmo com uma bela imagem de Django visualizando sua mulher no sereno, com uma trilha sonora que soa, às vezes, pouco orgânica (ou seja, imposta, selecionada especificamente para determinados trechos), ao contrário de filmes anteriores de Tarantino, em que cada canção cabia milimetricamente.
Nisso, Django não deixa de ser o primeiro personagem central do cineasta que não se dispôs a uma vida de caçador desde o início: Vincent Vega em Pulp Fiction; Aldo Raine em Bastardos inglórios; Beatriz Kiddo em Kill Bill. São todos personagens que precisam enfrentar, como se fosse uma obrigação, a vida de caçada a pessoas. Django é um personagem  historicamente injustiçado na trajetória de Tarantino: sua vingança traz junto um contexto pesado. Em Bastardos inglórios, Aldo Raine aparecia castigando os nazistas a cada momento; em Django livre, vemos o terrível castigo imposto a escravos, com duas ou três cenas realmente repulsivas, no sentido de levar o espectador a não querer acompanhá-las.

Django livre.Filme 5

É justamente na sequência do filme quando Schultz e Django chegam ao atual senhor de Brunhilde, Calvin Candie, que habita a Candyland, situada no Mississipi (e antes disso há um aviso estranho, deslocado, ao contrário daquele que anuncia as passagens de Kill Bill e Bastardos inglórios), com o pretexto de comprar um de seus escravos que lutam, que Tarantino mostra definitivamente a que veio. Isso porque ele consegue o que parecia difícil: colocar DiCaprio na pele de um terrível vilão, e, graças ao ator e ao roteiro, bastante elaborado. “Ele gosta de ser chamado de Monsieur, mas não fale francês porque ele não entende”, avisa um personagem ao Dr. Schultz – e o aviso é, na verdade, a senha para entender Candie. Há nuances no comportamento dele que DiCaprio dificilmente atingiu em seus personagens, com exceção, por exemplo, de Gilbert Grape e Prenda-me se for capaz. Django livre ganha realmente uma tonalidade acima do que se anunciava com sua presença em cena e, assim como Waltz, indicado de forma justa ao Oscar de coadjuvante, mostra uma atuação extraordinária. Do mesmo modo, na chegada à fazenda Candyland, temos a presença de Stephen, que serve a Candie, interpretado também de modo magnífico por Samuel L. Jackson.
Mais do que os incontáveis “niggers” que ouvimos ao longo do filme (e que fazem polêmica nos Estados Unidos, o que seria tema para outra discussão), é Stephen, o personagem que pode desagradar a quem vê o filme como politicamente incorreto. Ora, Tarantino é um autor que baseou sua filmografia na premissa de que o preconceito leva o ser humano à barbárie (como em Bastardos inglórios); não o é diferente em Django livre, em que os personagens se anunciam sempre como uma reavaliação do que está em cena. É insuportável, para dr. Schultz, ouvir Beethoven ser tocado numa harpa numa casa em que martelos são usados contra as mãos das pessoas; mais ainda ver que um pretenso senhor da Casa Grande não conhecer Alexandre Dumas, depois de receber uma pseudoaula sobre o cérebro de um escravo, ou expor a estátua de dois lutadores gregos ao fundo de sua sala para justificar sua obsessão pelo embate entre escravos (a chamada luta Mandinga).
Pode parecer estranho situar alguma moral num mundo que parece imoral, mas é justamente o que Tarantino tenta apresentar implicitamente em seus filmes, principalmente aqui. Por trás dos diálogos e pretenso interesse, há algo sempre escondido, que pode trazer todos ao centro da cena. Não é diferente num jantar em que os personagens conversam e desconfiam uns dos outros (o que já acontecia em filmes como Pulp Fiction e Bastardos inglórios), com um senso de tempo e espaço notável e em que o tema é a possível conversão de um escravo numa espécie de Hércules (a imagem novamente não é deliberada) das lutas, mascarando a escravidão com o espetáculo, e não se deve esquecer que as lutas acontecem também num clube chamado Cleópatra. É justamente em locais fechados que a direção de Tarantino cresce, pois ele consegue concentrar todas suas forças em cada personagem e seus olhares, e daí uma sequência entre o início e a segunda parte – a que se desenvolve com imagens excessivamente editadas – não ser efetivamente coerente com o restante.

1138856 - Django UnchainedTalvez por isso, apesar de todos os elementos que se referem ao faroeste, Django livre seja uma espécie de faroeste mais teatralizado (sobretudo pela competência do diretor na condução dos atores e por sua aversão, e se percebe isso aqui, a paisagens excessivamente externas ou com a natureza) e, ainda, de anticlímax. É de se pensar que Tarantino justamente, aqui, não está querendo simplesmente demonstrar um facho de vingança, mas lançar uma ideia que, mesmo com a brincadeira final, consegue ser ainda mais impactante do que toda sua violência (e dificilmente se viu cenas, nesse sentido, tão fortes).
Há, nas ligações entre Django e Stephen, entre Candie e sua irmã viúva, além da presença de Schultz e de Broomhilda que inclui uma discussão sobre descendências e linhagens, ruptura e continuidade, por meio da violência ou não. Tarantino parece, nesse sentido, inclinado a estabelecer uma ligação mais profunda e densa a respeito das caracterizações do que havia nos demais filmes, propondo-se a uma discussão que possa envolver não apenas o preconceito, mas a necessidade de colocar a família ou grupo como esteio para uma permanência no poder e à frente das finanças. Daí a conotação da cor branca (o figurino de Big Daddy, o bolo servido em determinado momento, a planta do algodão sendo manchado de sangue, a flor na lapela de Candie).  Segundo Tarantino, antes da Guerra Civil Americana, que viria a transformar os Estados Unidos, a única saída para Django é justamente recontar o que poderia ter acontecido, isto é, a história só pode ser reescrita sem uma neutralidade, ou seja, do sangue sobre o algodão, como contrapartida, e com duelos filmados de maneira espetacular e única, tanto na sonoridade quanto na montagem. E as histórias de vingança e de conquista por amor, que poderiam subexistir em peças de Wagner, volta-se às plantações e mansões do Mississipi, em que tudo acaba de fato tendo de ser resolvido fora da sinfonia pretendida.

Django unchained, EUA, 2012 Diretor: Quentin Tarantino Elenco: Jamie Foxx, Leonardo DiCaprio, Samuel L. Jackson, Christoph Waltz, Kerry Washington, Don Johnson, Jonah Hill Produção: Reginald Hudlin, Pilar Savone, Stacey Sher, Harvey Weinstein Roteiro: Quentin Tarantino Fotografia: Robert Richardson Trilha Sonora: Mary Ramos Duração: 165 min. Distribuidora: Sony Pictures Estúdio: The Weinstein Company / Too Super Cool ManChu / Super Cool Man Shoe Too / Double Feature Films / Columbia Pictures

Cotação 4 estrelas

Anúncios
Post seguinte
Deixe um comentário

4 Comentários

  1. Renan

     /  19 de abril de 2013

    Adorei sua resenha, muito estruturada, eficiente e concisa.

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: